Livelo aumenta presença no varejo com goleada de 10 a 1

Empresa lança uma série de iniciativas para se tornar mais presente no varejo. Entre elas, a campanha 10×1, que permite que os clientes ganhem 10 pontos para cada real gasto. Agora, a Livelo já se prepara para o momento pós-pandemia e quer investir ainda mais nos pontos de venda

0
76
Leia em 5 min

Marcelino Cruz, diretor de Relações Comerciais e Trade Marketing da Livelo

Uma vez por mês, os clientes da Livelo se deparam com uma iniciativa ousada. Nessas ocasiões, cada real gasto em compras com os parceiros de e-commerce da marca equivale a 10 pontos de recompensa – um benefício e tanto considerando que paridades assim são raras no mercado.

Além de favorecer o consumidor, a estratégia é vital para a outra ponta do negócio: os varejistas. Campanhas como o 10×1 não só cativam mais clientes como os estimulam a comprar e, obviamente, gastar mais. No final das contas, eles são seduzidos pela oportunidade única de ganhar pontos extras.

Essa é apenas uma das diversas ações planejadas pela Livelo, o maior programa de recompensas do Brasil, para ser uma empresa cada vez mais presente no varejo.

“O 10×1 tem sido um sucesso estrondoso”, diz Marcelino Cruz, diretor de Relações Comerciais e Trade Marketing da empresa. “Alguns parceiros triplicaram o faturamento em relação a um dia convencional.”

Quando a ideia foi lançada, 12 empresas aderiram à proposta. Já na edição de março deste ano, 16 parceiros participaram. E para as próximas ações de 10×1 há muitas outras em negociação sendo realizadas. Entre as marcas que participam do 10×1 estão nomes relevantes do universo corporativo brasileiro, como Casas Bahia, C&A, O Boticário, Centauro, Reserva e Sephora.

Cruz diz que não há um dia em que a empresa não discuta estratégias capazes de gerar valor para os clientes do varejo. Ficar próximos deles, entender seus anseios e atender às suas novas demandas são metas perseguidas, garante o executivo.

Essa premissa foi ainda mais importante na pandemia. De uma hora para outra, as empresas precisaram concentrar os seus negócios nas operações online.

“Nós inegavelmente ficamos mais próximos dos parceiros”, diz Cruz. “Sabe quando você toma a dor para si? Foi exatamente isso o que fizemos. O cliente estava com dificuldades? Fomos à luta para ajudar.”

No início da crise do novo coronavírus, o executivo lembra que houve uma espécie de apagão no e-commerce. Os pedidos eram tantos que muitas entregas não chegavam ao destino no tempo prometido.

“Colocamos toda a nossa estrutura à disposição dos clientes. Fizemos reuniões semanais com nossos parceiros para analisar a melhor forma de ajudá-los. Em alguns casos, por exemplo, oferecemos aumentar o nosso time de atendimento para atender as tratativas de determinado parceiro e alteramos o prazo de entrega na nossa plataforma”, afirma Cruz.

Ou seja: a Livelo colocou as empresas clientes ainda mais no centro do negócio e estreitou laços com eles no momento em que mais precisavam. É assim que se constrói sólidos relacionamentos.

A pandemia desencadeou diversas mudanças no comportamento do consumidor que, por sua vez, obrigou o mercado de recompensas a se reinventar. Com o turismo parado e as companhias aéreas sem voar, trocar pontos por milhas deixou de fazer sentido naquele momento.

Mais uma vez, a Livelo foi ágil para se ajustar aos novos tempos. Com promoções agressivas, ela demonstrou para o consumidor que era possível aproveitar seus pontos de diversas formas, em todos os setores econômicos.

São mais de 800 mil itens como roupas, acessórios, eletrodomésticos, produtos para pets, itens de higiene e beleza, artigos para casa e até voucher para delivery, entre muitas outras mercadorias e serviços, que podem ser trocados por pontos acumulados.

Nem todos os consumidores tinham conhecimento ou o hábito de fazer isso, mas a Livelo os ensinou que era possível utilizar o programa de recompensas de variadas maneiras – a nova realidade soou como música aos ouvidos dos varejistas.

“Com a pandemia, o cliente trocou as viagens pelo catálogo de produtos”, diz Cruz. “Ele viu a necessidade de se reorganizar, usou as nossas ferramentas e gostou. Agora, elas fazem parte da vida das pessoas.”

O executivo afirma que o próximo passo para a Livelo se tornar uma empresa ainda mais relevante para o varejo é ampliar sua presença no chamado PDV (ponto de venda).

Acreditando na retomada do comércio com a chegada da vacina, que possibilitará a segurança de todos, a empresa passou a destinar parte de seus esforços para o mundo físico. Uma parceria fechada em outubro do ano passado com a empresa de meio de pagamentos Cielo abriu as portas de 1,5 milhão de estabelecimentos que utilizam as suas maquininhas.

O consumidor pode, por meio do aplicativo da Livelo, trocar pontos por produtos e serviços diretamente na loja. Ele sabe na hora quantos pontos serão debitados na sua conta Livelo e pode realizar a confirmação da transação na maquininha do cartão.

O programa de acúmulo de pontos em redes físicas vem ganhando espaço na estratégia de negócios da Livelo. Também no ano passado, a empresa fechou parceria com a rede de postos Ale. Os clientes do programa de recompensas podem juntar pontos ao abastecer o veículo nos postos participantes ou ainda trocar os seus pontos por desconto no combustível ou em outros serviços realizados no posto parceiro.

Por meio de todas essas iniciativas, a Livelo vem se destacando no mercado de fidelidade, trazendo soluções e ideias inovadoras para seus clientes, que a cada dia possuem mais opções para acúmulo e uso dos pontos, e para os parceiros comerciais, que veem na Livelo uma forma de aumentar a proposta de valor e impulsionar os resultados.

Para saber mais sobre as soluções da Livelo para empresas, clique aqui.

Leia também