A meta da Meta: criar o mapa da transformação digital no Brasil

A ideia da consultoria é criar o primeiro indicador que mede o nível de maturidade digital do universo corporativo brasileiro. Empresa tem ainda planos para triplicar de tamanho em no máximo quatro anos

0
668
Leia em 4 min

Qual é o nível de maturidade digital das empresas brasileiras? Por mais que o tema esteja cada vez mais presente no universo corporativo, ninguém sabe ao certo a resposta. Para elucidar a questão, a Meta, consultoria de transformação digital e soluções de tecnologia, lançou uma iniciativa inédita no Brasil.

Em meados de novembro, a empresa colocou no ar uma plataforma que tem o objetivo final não apenas de conhecer o mercado mas, acima de tudo, ajudar as companhias a alcançar a tão almejada transformação digital.

“A nossa intenção é identificar o modelo digital das empresas brasileiras, conhecer os obstáculos que elas enfrentam nessa jornada e descobrir quais são as práticas que geram os melhores resultados”, afirma Telmo Costa, CEO da Meta.

A pesquisa, que ficará no ar até o início do ano que vem, abordará quatro pilares principais: cultura organizacional, tecnologia, estratégia e processos digitais

“Em um primeiro momento, a plataforma DXi – Digital Transformation Index consiste em uma pesquisa 100% exploratória que poderá ser preenchida em um ambiente online por empresas de qualquer porte ou setor”, diz Tássia Skolaude, CMO da Meta e uma das líderes do projeto.

Depois de superada a etapa da coleta de dados, a Meta irá estudá-los ainda no primeiro trimestre de 2022. A terceira fase será executada com o apoio de um instituto de pesquisa referenciado.

De acordo com a empresa, resultará daí a criação de um índice sobre maturidade digital, que será apresentado ao mercado no segundo semestre do ano que vem. “Um processo de transformação digital em maior ou menor grau é condição sine qua non para a sobrevivência em mercados cada vez mais competitivos”, ressalta Tássia.

A CMO da Meta não está exagerando. Com 31 anos de história, a Meta tem no currículo serviços prestados para diversas empresas quando o assunto é transformação digital. A empresa foi uma das responsáveis pela virada digital do banco Original, coordenando a adoção da chamada “metodologia ágil” para a criação de produtos do banco, o que garantiu maior velocidade e eficiência na execução dos trabalhos. Entre os resultados obtidos, destacam-se a expansão da base de contas em 375% e a redução em 80% do tempo de lançamentos de produtos.

Outro case bem-sucedido foi a transformação digital da TV Globo, focada principalmente na melhoria da eficiência de processos, criação de formatos de oferta de mídia e captura de novas receitas. A parceria com a TV Globo elevou em 86% o nível de satisfação dos clientes. Não à toa, o projeto ganhou o “Prêmio Internacional do Gartner” como uma das dez principais transformações digitais do mundo.

A Meta possui em seu portfólio cerca de 300 clientes nos oito países em que atua. Entre eles estão gigantes como Renner, BRF, Gerdau, Volvo, Kraft Heinz, Hospital Israelita Albert Einstein e Itaú. Juntos, os faturamentos de todos os seus clientes responderam por 37,8% do PIB brasileiro em 2020.

O CEO Telmo Costa destaca o ritmo de expansão da empresa. Em 2020, em plena pandemia, seu faturamento subiu 52%. Em 2021, a companhia já cresceu 72%, mas há boa possibilidade de encerrar o ano com um salto de 80%.

No início da pandemia, o cenário era bem diferente. “Em duas semanas, perdemos R$ 20 milhões em contratos que foram cancelados por clientes”, lembra Costa. “Mas, em vez de cortar investimentos, mantivemos os nossos planos e aceleramos a empresa.”

Enquanto o mercado se retraía, a Meta seguia em frente. “Sabe o que aconteceu? A empresa explodiu”, diz Costa. “Em menos de três meses, já tínhamos recuperado aqueles R$ 20 milhões perdidos. Foi um negócio fantástico.”

A Meta possui agora objetivos ainda mais ambiciosos. No início de 2021, seu plano estratégico estabeleceu o desafio de triplicar o tamanho da empresa em um período máximo de quatro anos.

A agenda agressiva de aquisições está dentro desse contexto. Em abril de 2020, foi criada a Meta Ventures, braço de corporate venture capital da empresa. Desde então, o projeto resultou em R$ 6 milhões investidos em cinco startups brasileiras e na criação do desafio nacional “Bring Your SaaS”, cujos vencedores serão acelerados pela Meta.

Segundo o CEO Telmo Costa, a empresa avalia neste momento a compra de outras seis startups principalmente da área de inteligência artificial e ciência de dados. “Estamos trabalhando para liderar a transformação digital no Brasil”, diz o empresário.

Para participar da pesquisa da Meta, clique aqui.

Leia também