Como a infraestrutura do Brasil tem passado pelo Itaú BBA

Itaú BBA é premiado como melhor Banco de Infraestrutura pela revista LatinFinance. Até setembro, assessorou ou foi credor de R$ 16,3 bilhões em um total de R$ 32,3 bilhões de financiamentos ao setor

0
660
Leia em 6 min

Complexo Eólico Rio do Vento, da Casa dos Ventos, no Rio Grande do Norte

Poucas áreas no Brasil deverão demandar um volume tão grande de investimentos nos próximos anos quanto a infraestrutura. E por uma razão inquestionável: não há como melhorar a competividade do País sem robustos aportes no setor.

Segundo estudo recente realizado pela consultoria Pezco Economics, o Brasil precisa aumentar consideravelmente os desembolsos em infraestrutura para alcançar um patamar adequado de desenvolvimento. Para isso, seriam necessários R$ 339 bilhões por ano até 2038.

Em 2020, os investimentos totalizaram R$ 115,8 bilhões, o equivalente a apenas 1,5% do PIB. Para efeito de comparação, a Índia, que tem gargalos parecidos com os brasileiros, injeta todos os anos 6% de PIB em infraestrutura.

Neste cenário, a iniciativa privada terá papel relevante para estruturar as operações, oferecer assessoria financeira para os leilões e os diversos programas de financiamento ou, se for o caso, emprestar os recursos necessários para destravar projetos vitais para o País.

Em linhas gerais, são estas as atribuições da área de Project Finance, segmento da indústria financeira que, graças às enormes carências brasileiras em infraestrutura, tem se tornado imprescindível – e também excelente geradora de negócios.

“O gap do Brasil em infraestrutura é tão grande que é inevitável que o setor atraia cada vez mais investimentos”, diz Marcelo Girão, head de Project Finance do Itaú BBA. “Sob diversos aspectos, o País é um celeiro de oportunidades.”

O Itaú BBA tem exercido forte protagonismo na área. Além de ser líder do mercado brasileiro como emprestador de longo prazo e como arranger, acaba de ser premiado pela publicação especializada LatinFinance como o “Melhor Banco de Infraestrutura” do País. Foi a sexta conquista nos últimos oito anos.

Em alguns segmentos, a atuação do Itaú BBA é ainda mais marcante. O banco tem sido vital no desenvolvimento de iniciativas ligadas à temática ESG.

O banco tem sido vital no desenvolvimento de iniciativas ligadas à temática ESG

Segundo Girão, o Itaú BBA está presente em 40% dos parques eólicos em operação no País, seja participando da implementação das usinas ou assessorando os diversos entes financeiros envolvidos no projeto.

Não custa lembrar que a diversificação das fontes de energia é uma das premissas básicas da construção de um futuro mais sustentável. Nesse aspecto, o banco de investimentos tem dado notável contribuição.

Uma de suas operações recentes foi a estruturação de três projetos de usinas eólicas do grupo francês Qair. Um deles é o Complexo Serrote, no município cearense Trairi, que teve sua fase inicial inaugurada em maio passado.

A usina terá capacidade instalada de 205 megawatts e, ao todo, demandará investimentos de R$ 1,8 bilhão. O Itaú BBA também estruturou o Complexo Eólico Serra do Mato, como foi a chamada a expansão do Complexo Eólico Serrote.

Os planos do grupo francês Qair para o Brasil tiveram forte apoio do banco. A instituição financeira participou do projeto do Complexo Eólico Afonso Bezerra, localizado nos municípios de Afonso Bezerra e Macau, no Rio Grande do Norte, e que receberá aportes de R$ 750 milhões.

Em um contexto de crise hídrica e energética, chama a atenção o Complexo Eólico Rio do Vento, um conjunto de usinas pertencente à Casa dos Ventos, no Rio Grande do Norte, e que contou com a participação do Itaú BBA.

Trata-se de um dos maiores projetos de geração de energia eólica do mundo, com um total de 1 gigawatt de capacidade instalada e investimentos de R$ 5 bilhões.

Iniciativas como essa estão dentro de um contexto maior. Em junho, o Itaú Unibanco anunciou o compromisso de contribuir com R$ 400 bilhões, até 2025, em iniciativas que promovam uma economia sustentável e cada vez mais verde e inclusiva.

Protagonismo na infraestrutura

Na área de Project Finance, em 2020 o Itaú BBA participou como assessor financeiro ou credor de R$ 15,2 bilhões em 67 projetos de infraestrutura de diferentes setores.

Até setembro de 2021, foram 58 operações e o valor – R$ 16,3 bilhões – já é maior do que no ano passado inteiro. Para o futuro próximo, estão em execução no Itaú BBA 76 deals, entre operações de crédito, operações de mercado e assessoria.

Alguns dos maiores projetos de infraestrutura do País tiveram a participação ativa do banco. Um dos destaques de 2021 foi o leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), que representou um marco para área de saneamento.

O Itaú BBA participou do financiamentos de todos os blocos arrematados no leilão da Cedae, em abril passado. A área de saneamento é uma das mais promissoras – e essenciais – da infraestrutura brasileira.

Com a histórica aprovação do novo marco regulatório do setor, em junho do ano passado, espera-se uma avalanche de investimentos em saneamento básico no País.

Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico, o Snis, cerca de 33 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada e mais de 95 milhões não são contemplados com rede de coleta de esgoto.

Para reverter esse quadro, o ministério da Economia prevê entre R$ 600 bilhões e R$ 700 bilhões de investimentos nos próximos anos – para destravar esses projetos, as áreas de Project Finance irão trabalhar a pleno vapor.

Os grandes projetos de infraestrutura em andamento no País estão, de alguma maneira, conectados ao Itaú BBA. Girão lembra que o banco assessorou a CCR na sexta rodada de concessão dos aeroportos, também realizada em abril.

O banco assessorou a CCR na sexta rodada de concessão dos aeroportos, também realizada em abril

Com o apoio do banco, a empresa arrematou os chamados Bloco Sul e Bloco Central. Ainda no mês de abril, o Itaú BBA assessorou o consórcio Eco153 que foi vencedor do certame de concessão envolvendo o sistema rodoviário composto pelas BRs 153, 080 e 414, que ligam Anápolis (GO) a Aliança de Tocantins (TO).

Em janeiro, por exemplo, o BNDES aprovou um empréstimo de R$ 3 bilhões para a Eixo SP Concessionária de Rodovias, empresa controlada pela gestora de recursos Pátria Investimentos.

O projeto, que é a maior concessão rodoviária do País, foi assessorado em todas as suas etapas pelo Itaú BBA, desde o leilão até a contratação do financiamento junto ao BNDES. “Dentro deste projeto, também estruturamos R$ 300 milhões em debêntures”, diz Girão.

Apesar da histórica defasagem da infraestrutura brasileira, algumas iniciativas têm ajudado a mudar o cenário. Girão aponta que, antes da aprovação do marco do saneamento básico, outra medida fundamental foi a criação do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), em 2016.

“Com o PPI, em vez da rentabilidade de um projeto ser baseada no subsídio do financiamento, ela passou a ser definida pelas regras de mercado”, diz o head de Project Finance do Itaú BBA. “Isso acabou incentivando outras fontes de financiamento, em especial o mercado de capitais.”

É preciso destacar também, ressalta Girão, que a qualidade dos projetos melhorou – o País parece, enfim, ter despertado para a urgência em destravar programas de infraestrutura. Nesse contexto, a participação do Itaú BBA será cada vem mais requisitada. Isso é ótimo para o banco, mas melhor ainda para o Brasil.

Para mais informações, clique aqui.

Leia também