Inter compra fintech de câmbio e desembarca nos Estados Unidos

Há 16 anos no mercado, a Usend tem cerca de 150 mil clientes e atua também como serviço de transferência de dinheiro. Com a aquisição, o banco brasileiro vai iniciar suas atividades nos EUA. O valor da transação não foi informado

0
430
Leia em 2 min

Sede do Banco Inter

Em mais um passo para avançar na estratégia de internacionalização, o Banco Inter anunciou na manhã desta sexta-feira, 27 de agosto, a aquisição da Usend, fintech americana que atua no mercado de câmbio e viabiliza remessas de dinheiro entre países.

O acordo, que envolveu 100% da companhia, foi comunicado em fato relevante. O banco não informou o valor da transação, que ainda aguarda aprovação do Banco Central (BC) e das entidades americanas.

Há 16 anos no mercado, a Usend tem licença para atuar como serviço de transferência de dinheiro em mais de 40 estados dos EUA, podendo oferecer aos residentes americanos produtos como wallet, cartão de débito e pagamento de contas, entre outros. A fintech tem cerca de 150 mil clientes.

Com a aquisição, o plano do Inter é iniciar suas atividades financeiras nos EUA, com a oferta de produtos aos americanos e aos clientes brasileiros. As soluções da Usend serão integradas à plataforma do banco.

Segundo o comunicado, os principais executivos, liderados pelo fundador e CEO, o brasileiro Fernando Fayzano, seguirão à frente da operação americana e vão tocar a integração, assim como a expansão para outros mercados, como os segmentos de crédito e corretagem de valores, que estão nos planos do Inter para o território americano.

O Inter tem realizado aquisições estratégicas desde o ano passado e reforçou essa estratégia em 2021, após ter realizado, em junho, um follow on que lhe rendeu R$ 5,5 bilhões.

A instituição comprou 45% da mineira Granito, 60% da startup Meu Acerto, de renegociação de dívidas, e 50% da IM Design, especializada em desenvolver ferramentas em 3D para a criação de projetos de visualização de ambientes internos e externos.

Desde o ano passado, o CEO do Inter, João Vitor Menin, tem dito que um dos objetivos da instituição é se internacionalizar, para que a sua plataforma possa ser utilizada em outros países.

Leia também