O “trainee” que está por trás de grandes M&As cria sua aceleradora de startups

Pércio de Souza esteve envolvido em grandes fusões e aquisições com a Estáter. Agora, ele está criando a Nébula, uma aceleradora que busca negócios digitais. Ele conta seus novos passos ao Café com Investidor

0
764
Leia em 2 min

O empresário Pércio de Souza é conhecido no mercado por estar por trás de grandes fusões e aquisições com a Estáter, boutique que ele cofundou com André Ferreira Martins Assumpção, Eleonora Rodrigues de Souza e Gustavo de Oliveira Lima, em 2003.

Ao longo desse tempo, foram mais de 40 transações que movimentaram aproximadamente R$ 90 bilhões. Pela Estáter passaram transações como a compra da Ipiranga pelo grupo Ultra, e diversos negócios do grupo Pão de Açúcar, na época de Abilio Diniz, como a aquisição do atacadista Assaí e das redes de eletroeletrônicos Ponto Frio e Casas Bahia.

Mas, aos poucos, o M&A foi dando espaço para a atuação em gestão e reestruturação de empresas. Agora, uma nova área está ganhando espaço na agenda de Souza. Ele está criando a Nébula, uma aceleradora de startups – ou catalisadora, como prefere chamar.

“Tenho mais de 50 anos e hoje me identifico com a turma da geração Y. Me sinto um trainee”, diz Souza, em entrevista ao programa Café com Investidor, do NeoFeed. “Quando olho para frente é mais ou menos como olhava quando saí da faculdade: tem tudo para ser realizado.”

A Nébula surgiu de uma reflexão de Souza, depois que ele se mudou para Londres, em 2019. Lá, viu as transformações que estavam acontecendo no setor financeiro e analisou o comportamento da geração Y, conhecida também como millenials. A pandemia atrasou o projeto, quando ele voltou ao Brasil. “Ela atrasou, mas acabou intensificando a transformação. O ano passado representou mais de cinco anos no processo de digitalização”, diz Souza.

A ideia é que a Nébula seja uma catalisadora de negócios e que ajude o ecossistema que a Estáter já tem. Hoje, a empresa faz a gestão do banco Voiter (ex-Indusval) e da fintech LetsBank (ex-Smartbank) – a companhia tem a opção de comprar 50% mais uma ação e assumir o controle das duas companhias. A Estáter é dona também da corretora de seguros TRR.

As startups Seu Guru, na qual a Estáter tem uma participação, e a IOUU, comprada pelo LetsBank, estarão na aceleradora. No momento, a Estáter está selecionando empresas em um processo de escolha vai até o fim deste mês.

Nesta entrevista, Souza conta os planos da Nébula, explica o modelo da aceleradora e que tipos de startups está procurando. Ele fala também do que gosta em um empreendedor e relembra histórias dos grandes negócios em que esteve envolvido. Acompanhe mais um episódio do Café com Investidor.

Leia também