Gol e American Airlines selam novo acordo com aporte de R$ 1 bilhão

No novo acordo de exclusividade, que amplia a parceria de codeshare iniciada em fevereiro de 2020, a companhia aérea americana passa a deter uma fatia de 5,2% na empresa brasileira

0
341
Leia em 3 min

Em fevereiro de 2020, a Gol anunciou um acordo de compartilhamento de voos com a American Airlines, em uma parceria que também envolvia os programas de fidelidade das duas companhias aéreas. Agora, as duas empresas estão estreitando esses laços.

A Gol e a American Airlines anunciaram nesta quarta-feira, 15 de setembro, a expansão dessa cooperação por meio de um acordo de codeshare exclusivo. Com os novos termos, a companhia americana fará um investimento de R$ 1,05 bilhão (US$ 200 milhões) para deter uma fatia de 5,2% na empresa brasileira.

O aporte envolve 22,2 milhões de ações preferenciais recém-emitidas pela Gol em um aumento de capital. A transação envolve um preço de R$ 47,03 (US$ 9) por ação preferencial, tomando como base de referência a taxa de câmbio de 14 de setembro. O preço de fechamento da ação preferencial da Gol na data em questão foi de R$ 19,28.

“Acreditamos que isso fortalecerá ainda mais a presença da Gol nos mercados internacionais, acelerará nosso crescimento de longo prazo e maximizará o valor para nossos acionistas”, afirmou Paulo Kakinoff, CEO da Gol, em fato relevante.

Robert Isom, presidente da American Airlines, também comentou o novo acordo. “A American Airlines há muito tempo é a empresa aérea americana líder na América do Sul. Nossa parceria exclusiva com a Gol solidifica essa posição de liderança. Nossa malha de longa distância casa perfeitamente com a forte malha doméstica da Gol.”

Vice-Presidente Financeiro da Gol, Richard Lark destacou que o investimento, somado aos R$ 2,7 bilhões provenientes de um aumento de capital no segundo trimestre, elevam o capital de prazo da operação para mais de R$ 3,7 bilhões.

“Essa liquidez adicional melhora ainda mais a flexibilidade financeira da Gol, ao mesmo tempo que minimiza a diluição para os acionistas”, observou o executivo.

Em comunicado, a American Airlines informou ainda que terá o direito de indicar um membro para o Conselho de Administração da Gol. Esse representante também terá participação no Comitê de Aliança da Gol e em quaisquer outros comitês do Conselho relacionados à parceria entre as duas empresas.

Hoje, a American Airlines opera voos nos hubs da Gol em São Paulo e no Rio de Janeiro, integrando 34 opções de rotas brasileiras e internacionais. Entre elas, Montevidéu, no Uruguai. Já a malha da Gol atende 63 destinos no Brasil e 140 internacionais por meio de acordos de codeshare.

Atualmente, nas redes combinadas das duas empresas, os clientes podem viajar para mais de 30 destinos nos Estados Unidos e mais de 20 destinos na América do Sul.

As duas companhias informaram que a integração entre seus programas de fidelidade Smiles e AAdvantage trará novidades no início de 2022. A estratégia incluirá acesso a benefícios como prioridades no check-in, na inspeção de segurança e no embarque, além de uma franquia maior de bagagem despachada, acesso a salas VIP e assentos preferenciais em ambas as empresas.

A ampliação do relacionamento com a American Airlines vem na esteira do fim do relacionamento da Gol com a também americana Delta Airlines, que deixou de ser acionista da companhia em 2019. Posteriormente, já em 2020, a Delta anunciou uma joint venture com a Latam para o compartilhamento de suas malhas aéreas. No acordo, a empresa comprou uma fatia de 20% na Latam, por US$ 1,9 bilhão.

Avaliada em R$ 7,6 bilhões, a Gol acumula uma desvalorização de 22,69% em suas ações em 2021. Já a American Airlines está avaliada em US$ 12,4 bilhões e viu seus papéis acumularem uma valorização de 21,8% no ano.

Leia também