O “good karma” de Eduardo Mufarej com seu novo fundo de R$ 400 milhões

À frente da GK Ventures, o ex-sócio da Tarpon, ex-CEO da Somos Educação e fundador do RenovaBR quer aliar impacto a resultado financeiro. Mufarej conta os planos ao Café com Investidor

0
340
Leia em 2 min

Eduardo Mufarej tem várias “encarnações” em sua trajetória empreendedora. Por 15 anos, ele atuou na gestora Tarpon, onde foi um dos sócios ao lado de Zeca Magalhães e Pedro de Andrade Faria. Em 2015, virou CEO da Somos Educação, um dos investimentos da gestora, onde ficou até a empresa vendida para a Kroton (hoje Cogna), em abril de 2018, por R$ 4,6 bilhões

Mufarej é também o fundador do RenovaBR, uma escola de formação de políticos, que deu aula para centenas de pessoas. De suas carteiras saíram 176 alunos eleitos que atuam no Congresso, prefeituras e Câmaras de Vereadores. Entre eles, a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) e o senador Alessandro Vieira (Cidadania-RS).

Agora, Mufarej está à frente da Good Karma Ventures, ou simplesmente GK, a sua gestora que acabou de captar R$ 400 milhões em seu segundo fundo de impacto que vai investir em empresas de três áreas: mudança climática, educação e saúde.

“O nome surgiu de forma natural. É um sentimento de que queremos fazer coisas que têm um carma bom”, disse Mufarej, ao Café com Investidor, programa do NeoFeed que entrevista os principais gestores de venture capital e private equity.

Na GK Ventures, Mufarej reuniu também seus investimentos proprietários que seguiam a mesma lógica. Entre eles, estão a empresa de bikes compartilhadas Tembici e a Alicerce Educação, focada em reforço escolar para alunos de baixa renda.

No segundo fundo, Mufarej já investiu na Zenklub, de saúde mental, ao lado da Kamaroopin, a gestora de seu ex-sócio Pedro de Andrade Faria. Atualmente, os ativos que fazem parte da GK Ventures tem um NAV (net asset value) de R$ 550 milhões.

A meta de Mufarej é investir cheques que podem começar em R$ 20 milhões e vão até R$ 200 milhões – essa cifra só é alcançada por que a gestora pode atrair outros investidores para participarem da rodada.

A GK Ventures está trabalhando também em uma metodologia para medir o impacto que as empresas nas quais investe geram. O plano é que para cada R$ 1 investido, outros R$ 2 retornem de alguma forma à sociedade.

Nesta entrevista, que você assiste no vídeo acima, Mufarej relembra a época em que foi CEO na Somos Educação, empresa na qual chegou a dar aulas de história do Brasil, e comenta sobre o projeto do RenovaBR. Assista a mais um episódio do Café com Investidor.

Leia também