Negócios

“Carrinho” cheio: Magazine Luiza vai reforçar estratégia de aquisições

Com R$ 5,8 bilhões em caixa e a operação ajustada ao ritmo da pandemia, a varejista voltou às compras em julho e mira agora um escopo amplo de possíveis acordos, que passa, inclusive, por operações offline

 

Uma das meninas dos olhos do mercado de capitais nos últimos anos, o Magazine Luiza vem confirmando esse status mesmo na pandemia. E o resultado do segundo trimestre de 2020 só reforçou essa posição, com a companhia reportando um avanço de 29,3% na receita líquida, para R$ 5,56 bilhões.

O trimestre trouxe um prejuízo de R$ 64,5 milhões, contra um lucro líquido de R$ 386,6 milhões, divulgado um ano antes. Porém, mesmo esse desempenho na última linha do balanço foi superior às expectativas do mercado.

As vendas digitais, um destaque recorrente no resultado da varejista, ganharam ainda mais relevância com a Covid-19. No e-commerce, que representou 78,5% da receita total no período, o crescimento foi de 182%. Já no marketplace, o salto foi de 214%.

Com esses números, as ações da companhia estavam sendo negociadas com alta de 7,25% por volta das 14h30. E para seguir agradando os investidores, além de atrair cada vez mais cliques e compras dos internautas, o Magazine Luiza quer seguir enchendo o seu próprio carrinho.

“Nós fizemos uma captação enorme no fim do ano passado para fazer aquisições. Não seguimos esse caminho no primeiro semestre pois não achamos adequado com a pandemia”, disse Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza, em teleconferência com analistas. “Mas estamos retomando essa estratégia com força para comprar ativos estratégicos e cobrir gaps do nosso ecossistema.”

Para levar à frente esse direcionamento, a empresa está com a carteira recheada. Em novembro, a companhia captou R$ 4,7 bilhões em um follow on. E encerrou o segundo trimestre com um caixa líquido de R$ 5,8 bilhões, após gerar um caixa operacional de R$ 2,2 bilhões no período.

A nova temporada teve início no fim de julho, com a aquisição da Hubsales. Dona de uma plataforma que viabiliza as vendas diretas das fábricas para consumidores, a empresa está instalada em Franca, cidade do interior de São Paulo e “terra natal” do Magazine Luiza.

“A Hubsales tem 700 mil pedidos processados anualmente e ajuda o consumidor a pagar mais barato, ao mesmo tempo em que a fábrica vende com uma margem melhor”, afirmou Trajano. “Vamos focar inicialmente em moda e calçados, mas a ideia é levar a plataforma para outros polos industriais e explorar outras categorias.”

Já no início de agosto, o Magazine Luiza voltou às compras com as aquisições do Canaltech, site de conteúdo de tecnologia, e da plataforma de mídia da In Loco. Os acordos marcaram a entrada da empresa no segmento de publicidade online, combinando geração de conteúdo e audiência. “Temos um potencial enorme de monetizar 80 milhões de visitantes únicos na nossa plataforma”, disse Trajano.

As novidades no pacote encorpam uma estratégia que começou a ganhar visibilidade em 2013, com a compra do site Época Cosméticos. Desde então, o Magazine Luiza investiu em ativos como o marketplace de livros Estante Virtual, a Logbee, de logística, e a Netshoes, de artigos esportivos.

Nesse último acordo, que envolveu ainda a incorporação da Zattini, e-commerce de moda, a empresa travou uma intensa disputa com a Centauro nos primeiros meses de 2019. E na continuidade desses esforços, Trajano destacou o olhar amplo do Magazine Luiza por novas aquisições.

“Não temos preconceito. Nosso espectro é amplo e, por isso, não se surpreendam com nada”, diz Trajano

“Nós olhamos qualquer área, desde novas categorias, superapps, entrega mais rápida, crescimento exponencial do marketplace e dos serviços ofertados aos sellers”, afirmou Trajano. Ele não descartou, inclusive, a compra de ativos ligados a operações offline. “Não temos preconceito. Nosso espectro é amplo e, por isso, não se surpreendam com nada.”

Além do encaixe na estratégia, alguns critérios, no entanto, unem a busca por esses ativos. O Magazine Luiza realiza due diligences em três frentes: a área financeira, a cultura da empresa e também sua maturidade tecnológica. “Se a tecnologia é muito ruim não entramos. Não queremos perder tempo com legado pesado”, afirmou Trajano.

E apesar da diversidade de possibilidades no radar, ele ressaltou algumas das categorias que podem ampliar o apetite da companhia. Entre as principais, as áreas de alimentos e de mercado, segmento que ganhou força no e-commerce do grupo durante o trimestre, com a venda de mais de três milhões de itens.

Terceiro trimestre

Além da busca por novas aquisições, Trajano destacou a evolução da operação no segundo trimestre. Em abril, com apenas 8% das lojas abertas, a empresa teve um prejuízo de R$ 148 milhões. Em maio, com a reabertura gradual, a perda foi de R$ 9 milhões. Já em junho, com a retomada mais forte das operações, a companhia registrou lucro de R$ 93 milhões.

“Sem dúvida, do ponto de vista de margem Ebitda e de lucro líquido, o terceiro trimestre vai ser bem melhor”, afirmou Trajano, que revelou ainda o plano de contratar 2,5 mil funcionários para as áreas de logística, tecnologia e atendimento. “Crescer sem contratar ninguém foi bom para o resultado, mas não para o nível de serviço.”

Para o restante do ano, Trajano enxerga outra perspectiva positiva com a estreia do PIX, sistema de pagamentos instantâneo do Banco Central, programada para outubro. Na visão do CEO do Magazine Luiza, a plataforma traz boas notícias para a Magalu Pay, conta digital lançada pela varejista no início do ano e que alcançou a marca de 1 milhão de usuários no segundo trimestre.

“Nós chegamos um pouco atrasados em conta digital, mas o PIX nivela o jogo para todo mundo”

“Nós chegamos um pouco atrasados em conta digital, mas o PIX nivela o jogo para todo mundo”, afirmou. “Para nós, é ótimo que ele chegue nesse momento, pois vai nos dar igualdade na competição com carteiras já estabelecidas e mesmo os sistemas mais tradicionais.”

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

UM CONTEÚDO:

NEOFEED REPORT

Baixe o relatório “O mapa de ataque das grandes empresas”

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO