Martín Escobari, do General Atlantic: “O Brasil chegou atrasado na festa, mas ela acabou para todo mundo”

Os investimentos em empresas maduras e de crescimento acelerado bateu recordes em 2021. Mas a correção no mercado público pôs fim a festa. “Não é catastrófico, mas é mais difícil levantar dinheiro”, diz

0
159
Leia em 2 min

Martin Escobari, copresidente e head para a América Latina da General Atlantic

Com US$ 80 bilhões de ativos sob gestão, o General Atlantic aumentou a alocação de capital na América Latina e na Índia nos últimos anos.

Hoje, 15% dos investimentos do fundo estão na América Latina. E mais 15%, na Índia. Os Estados Unidos, que tinham 65% dos recursos, estão, atualmente, com 45%.

No Brasil, a companhia tem no portfólio empresas como Hotmart, Neon, unico, QuintoAndar e Gympass – todos eles unicórnios, com são chamadas as empresas que valem mais de US$ 1 bilhão.

Mas Martín Escobari, copresidente do General Atlantic e head da América Latina da gestora, diz que a época de vento de proa chegou ao fim.

“O Brasil chegou atrasado na festa, mas a festa acabou para todo mundo ao mesmo tempo”, afirmou Escobari, durante o durante o Tech Founders Summit, evento promovido pelo Itaú BBA.

E não foi uma festa qualquer. De acordo com Escobari, as gestoras que investem em “growth equity” aportaram US$ 15 bilhões na América Latina no ano passado. “É mais dinheiro do que os últimos 19 anos juntos”, segundo ele.

O Brasil, na visão de Escobari, entrou para essa festa há um ano e meio – mundialmente, os aportes generosos em companhias de crescimento acelerado e maduras acontecem há cerca de quatro anos. “Mas a chuva chegou no fim do ano passado”, diz o head para a América Latina da General Atlantic.

Por chuva, Escobari se refere a correção de valor das empresas de tecnologia no mercado público. “As empresas listadas perderam de 30% a 50% do valor. O fluxo de IPO secou esse ano”, diz Escobari. “Não é catastrófico, mas é mais difícil levantar dinheiro.”

Apesar dos investimentos altos no ano passado, Escobari critica o que ele chamou de “turistas do mercado de growth”, sem citar nomes. São, segundo ele, empresas que olharam a região de forma oportunística, mas sem critérios.

“São delas rápidos, com valuations altos e sem diligência”, afirmou Escobari. “Essa estratégia está se comprovando não ser robusta.”

O General Atlantic acompanha 100 mil empresas ao redor do globo. E, a cada ano, de 8 mil a 10 mil empresas são adicionadas ao universo de companhias que são avaliadas e analisadas.  Apesar desse universo gigantesco, poucos negócios são fechados. “Eu dou um sim para cada 400 nãos”, disse Escobari.

Leia também

Brand Stories