Negócios

Mercado Livre compra fatia da Kangu e aquece a disputa na última milha do e-commerce

Com a fatia minoritária na startup de logística que habilita pequenos lojistas como pontos de coleta e de retirada de produtos comprados via comércio eletrônico, o grupo reduz a desvantagem em relação a rivais como Magazine Luiza e Via Varejo, que já usam suas próprias lojas como estoques avançados

 

Nos últimos três anos, a logística tem sido um dos principais destinos dos pacotes de investimentos do Mercado Livre. Avaliada em US$ 58 bilhões, a empresa não vem poupando recursos para aprimorar as entregas, reduzir prazos e atrair mais vendedores, compradores e cliques aos seu marketplace.

Com uma fatia de 56% da receita líquida de US$ 1,53 bilhão reportada no primeiro semestre, a operação brasileira do grupo está no centro de boa parte dessas iniciativas. E é o ponto de partida para o mais recente movimento da empresa nessa direção.

O Mercado Livre revelou, com exclusividade ao NeoFeed, que acaba de comprar uma participação minoritária na Kangu, startup brasileira de logística. A transação foi realizada via Meli Fund. Esse é o quarto investimento do fundo de venture capital do grupo em 2020 e o terceiro no Brasil.

Nesse ano, no País, o Meli Fund já tinha participado das rodadas de aportes de R$ 65 milhões na fintech de crédito BizCapital, em junho, e de R$ 120 milhões na corretora Warren, em julho. No total, o veículo tem um histórico de investimentos em mais de vinte novatas da América Latina, entre eles, a brasileira Mandaê, também de logística.

“Temos investido em startups que possam ter sinergias com o nosso ecossistema, especialmente em finanças e logística, que são nossos maiores focos”, diz Renato Pereira, diretor de desenvolvimento corporativo do Mercado Livre, ao NeoFeed. “E no caso da Kangu, essa sinergia já vinha acontecendo.”

Desde meados de 2019, o Mercado Livre já mantinha uma parceria comercial com a Kangu. Na época, a startup foi uma das empresas selecionadas pelo grupo para desenvolver projetos piloto na área de logística, em particular, na última milha, uma das principais dores do comércio eletrônico.

Fundada em março de 2019, por Ricardo Araújo, Marcelo Guarnieri e Celso Queiroz, a Kangu habilita pequenos comércios de bairro interessados em operar como mini-hubs de produtos comprados via e-commerce. Em troca, esses lojistas recebem uma comissão por cada pacote estocado em suas lojas.

Os estabelecimentos são usados para a retirada de produtos por consumidores e como uma alternativa para que sites clientes da Kangu deixem suas encomendas. A coleta é realizada diariamente pela startup, que encaminha os pacotes a transportadoras parceiras.

A empresa é remunerada pela gestão de todo esse processo, que também inclui opções de logística reversa, como a devolução de produtos. Ao reduzir os custos da última milha e oferecer acesso a um bom volume de entregas, a companhia consegue descontos junto às transportadoras.

“Esse percentual é suficiente para pagar as comissões dos estabelecimentos e a nossa operação”, diz Ricardo Araújo, co-CEO da Kangu. “Além de viabilizar preços mais competitivos para os sites clientes da nossa plataforma.”

A Kangu tem uma rede de 1.450 estabelecimentos parceiros nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul

Com essa proposta, em um ano e meio de operação, a Kangu desenvolveu uma rede de 1.450 estabelecimentos parceiros, distribuída nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul.

E atraiu, em março desse ano, um aporte de R$ 6 milhões, liderado pelo fundo de venture capital argentino NXTP Ventures. A rodada contou ainda com a participação de investidores-anjo com Américo Pereira Filho, ex-CEO da FedEx no Brasil.

Atalho

Com a Kangu, o Mercado Livre cria um atalho para reduzir aquilo que alguns especialistas apontam como uma desvantagem do grupo no campo da logística em relação aos seus principais rivais no segmento de marketplaces.

A partir da associação, os vendedores e compradores da plataforma passam a ter uma rede considerável de pontos físicos para agilizar a entrega e a retirada de produtos transacionados por meio do marketplace.

Magazine Luiza e Via Varejo, por exemplo, têm usado cada vez mais suas redes de lojas próprias como mini-hubs e estoques avançados para reduzir os prazos de entrega dos produtos comprados em suas plataformas. A B2W também tem à disposição os pontos de venda da Lojas Americanas.

“A Kangu nos aproxima dos compradores e vendedores, e nos dá muita capilaridade sem a necessidade de investir em estrutura”, diz Pereira. “Nós testamos outras startups, mas a parceria serviu para provar que eles eram os melhores fornecedores e decidimos estreitar o relacionamento, em vez de pulverizar em muitas empresas.”

Segundo Pereira, agora sob a condição de acionista da Kangu, o Mercado Livre não interferirá na gestão. Mas terá mais liberdade e segurança para identificar oportunidades e sugerir caminhos para a startup, especialmente no que diz respeito à expansão da operação.

“Agora, nos sentimos mais confortáveis em exercer esse papel”, explica. “Se não fôssemos sócios, estaríamos muito expostos com grande parte do nosso volume concentrado em um único parceiro”, acrescenta.

Uma das sinergias que serão potencializadas é o uso de um sistema proprietário do Mercado Livre que identifica os mapas de calor com as áreas de grande concentração de vendedores e de compradores da plataforma em cada cidade.

“Esse diálogo vai ser aprofundado a partir de agora e vamos ser mais assertivos nas nossas escolhas”, afirma Araújo, da Kangu. “Ter o Mercado Livre como sócio acelera esse conhecimento. Traz outra escala, velocidade e grau de maturidade no nosso modelo de negócio.”

Sob essa nova composição, os planos da startup são ambiciosos. Até o fim do ano, a meta é consolidar uma malha com cerca de três mil estabelecimentos parceiros. Esse roteiro incluirá o estado de Santa Catarina e as primeiras lojas na região Nordeste, em capitais como Recife (PE), Salvador (BA) e Fortaleza (CE).

Até o fim do ano, o plano da Kangu é consolidar uma malha com cerca de três mil lojas parceiras

A associação com o Mercado Livre também abre caminho para que a Kangu ultrapasse as fronteiras. No mapa de expansão previsto para esse ano, estão previstos os primeiros passos internacionais, começando pela Cidade do México. Na sequência, a ideia é costurar parcerias em países como Chile, Colômbia e Argentina.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.

UM CONTEÚDO:

BRAND STORIES

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO