Para o bitcoin, “the winter is coming”

Relatório do UBS diz que as criptomoedas devem enfrentar um longo inverno e cita três razões para isso. A principal delas: o aumento dos juros pelo Federal Reserve

0
352
Leia em 2 min

A série Game of Thrones popularizou a expressão “the winter is coming”, em uma referência a um período sombrio que poderia chegar e se prolongar por um longo tempo.

Para os analisas do banco de investimento UBS, o inverno pode estar chegando para o mercado de criptomoedas, como o bitcoin.

Em relatório distribuído a clientes, o analista James Malcolm alerta que há uma série de nuvens carregadas no horizonte que podem tirar o brilho dos ativos digitais, levando-os a enfrentar um longo inverno.

Os motivos são simples, na visão de Malcolm. O principal deles é o aumento das taxas de juros pelo Fed (Federal Reserve) em 2022, o que deve prejudicar o apelo das criptomoedas aos investidores.

“Isso porque o aumento das taxas de juros está acabando com os argumentos de que o bitcoin é uma boa moeda alternativa ou reserva de valor”, escreveu Malcolm.

De acordo com o relatório, o banco central americano está se movendo para controlar a inflação, subindo os juros. E isso prejudica o argumento de que os investidores devem manter o bitcoin como proteção contra o aumento de preços.

Na visão do analista do UBS, os estímulos dos bancos centrais durante a pandemia, que derrubaram os juros para aumentar a liquidez dos mercados, foram um fator-chave na valorização das moedas digitais em 2020 e 2021.

Outros fatores para o inverno das criptomoedas, segundo o analista do UBS, são que a tecnologia tem muitas deficiências e a regulamentação pode impedir o desenvolvimento da indústria.

“A especulação desenfreada em redes de criptomoedas inevitavelmente convida a uma supervisão mais próxima para proteger os consumidores e proteger a estabilidade financeira”, escreve o analista do UBS.

No ano passado, o bitcoin oscilou como uma montanha russa, indo de menos de US$ 30 mil para US$ 60 mil em um curto período de tempo. Depois, voltou ao patamar inferior – tudo rapidamente.

Em 2022, a moeda digital desvaloriza-se quase 12%, cotada a mais de US$ 42 mil. Desde novembro do ano passado, quando ultrapassou US$ 67 mil, a queda está perto de 40%.

O último inverno enfrentado pelos criptoativos aconteceu no fim de 2016, quando o bitcoin caiu de US$ 20 mil para US$ 4 mil no período de um ano.

Leia também

Brand Stories