Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.
 
 

Startups

Te cuida, Rappi. A Uber vem aí

A Uber comprou a starutp chilena de entregas de supermercado Cornershop, que opera no Chile, Peru, México e Canadá. A próxima parada, segundo apurou o NeoFeed, deve ser o Brasil

 

A Cornershop faz entrega de supermercados e vai se expandir pela América Latina

A Uber deu mais um passo para expandir seus serviços para além do transporte. Nesta sexta-feira, 11 de outubro, a empresa anunciou a compra de uma fatia majoritária da Cornershop, uma startup chilena que faz entregas de supermercado.

O valor do negócio não foi revelado. No ano passado, a rede varejista Walmart tentou comprar a startup por US$ 225 milhões. Mas as autoridades reguladoras da competição do México vetaram o acordo, alegando que a companhia poderia recusar serviços dos concorrentes da rede varejista.

A Cornershop opera no Chile, Peru, México e Canadá. Segundo apurou o NeoFeed, o próximo mercado que a companhia vai entrar é o Brasil. “Eles estão olhando seriamente o Brasil”, diz uma fonte, que conhece os planos da startup.

Hoje, a Uber opera com a Uber Eats, que faz entrega de comidas. Com a Cornershop, a Uber vai entrar dentro do supermercado. “Daí para outros segmentos do varejo, é um pulo”, diz a fonte. “A Uber vai sair de ‘good delivery’ para ‘everything delivery’.”

Traduzindo para a linguagem dos negócios. Se antes o Uber Eats competia com o iFood e com algumas áreas da Rappi, agora ele passa a ser um competidor direto da Rappi em quase tudo o que a empresa de origem colombiana faz.

“Queremos que a Uber seja o sistema operacional do cotidiano das pessoas”, diz Dara Khosrowshahi, CEO da Uber

Por trás dessa aquisição está um novo posicionamento global da Uber. “Queremos que a Uber seja o sistema operacional do cotidiano das pessoas”, tem dito Dara Khosrowshahi, CEO da companhia. Um exemplo foi o lançamento, na semana passada, do Uber Works, um aplicativo para trabalhos temporários.

Trata-se de um esforço da Uber de buscar novas fontes de receita e ser lucrativo. A empresa teve um prejuízo de US$ 5 bilhões no seu segundo trimestre fiscal. Além disso, suas ações caíram mais de 30% desde maio, quando abriu o capital na Bolsa de Nova York.

Curiosamente, Uber e Rappi vão brigar pela preferência do consumidor na América Latina. Mas as duas empresas têm o suporte do mesmo investidor: o Softbank.

A Uber é uma das principais apostas do Vision Fund, o fundo de US$ 100 bilhões do bilionário japonês Masayoshi Son. A Rappi, por sua vez, recebeu US$ 1 bilhão do fundo para a América Latina do Softbank.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO