Após cair mais de 30% em duas semanas, Locaweb está barata, diz BTG Pactual

Os investidores reagiram mal à queda do Ebitda e da margem da Locaweb no terceiro trimestre, mas o BTG Pactual comparou os múltiplos da empresa com VTEX e Shopify para chegar à conclusão que o papel está barato

0
141
Leia em 3 min

Desde que publicou os resultados do terceiro trimestre, há duas semanas, a Locaweb acumula uma queda de cerca de 34% na Bolsa. Mas para os analistas do BTG Pactual, que recomendam a compra do papel, a reação do mercado é injustificada.

“Depois do movimento de vendas, vemos a Locaweb a um nível de entrada atraente”, escrevem os analistas Carlos Sequeira e Osnir Cafi, em relatório distribuído a clientes.

Nesta quarta-feira, 24 de novembro, a ação da Locaweb já recupera uma parte da perda, fechando o pregão em alta de 4,84%, a R$ 13,85. O BTG, por sua vez, estima preço-alvo de R$ 22,50.

Segundo os analistas do banco de investimentos, o mercado reagiu mal ao balanço da Locaweb ao longo das últimas duas semanas porque a operação da companhia mostrou um resultado frustrante. O Ebitda caiu 6% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e a margem recuou para 16%, de 28,4% um ano antes.

Para o BTG, porém, há dois pontos que precisam ser considerados nessa análise. Em primeiro lugar, a Locaweb tem estado bastante ativa em fusões e aquisições desde o IPO. O banco estima que praticamente metade da receita atual do negócio de “commerce” (para clientes de varejo físico e e-commerce) da companhia se deve às empresas que foram incorporadas no período.

“Naturalmente, as empresas adquiridas possuem diferentes estágios de maturação, sendo que a maioria delas possui margens próximas a zero (ou mesmo negativas), impactando a margem consolidada”, escrevem os analistas.

Não significa, contudo, que a Locaweb tenha feito maus negócios. “Em nossa opinião, todas as aquisições, até agora, aumentaram de alguma forma o ecossistema da Locaweb, e entendemos que, para extrair o máximo de valor das fusões e aquisições, não é a hora de pisar no freio do crescimento para aumentar as margens”, dizem.

Entre as aquisições da Locaweb, estão, por exemplo, a Etus, de gestão de e-commerce em redes sociais, por R$ 18,9 milhões, e a Vindi, fintech especializada em sistemas de gestão de cobrança para e-commerce, por R$ 180 milhões. A mais recente foi a Squad, que conecta empresas e influenciadores, por R$ 176,4 milhões, no início de outubro.

Segundo BTG, a queda da margem Ebitda no e-commerce se deu principalmente em duas linhas: despesas com vendas e pesquisa e desenvolvimento, “itens totalmente discricionários que devem gerar valor no longo prazo.”

Os analistas destacam ainda que a empresa teve de aumentar seu custo de aquisição de clientes para aumentar a sua base de vendedores no terceiro trimestre, em geral um período de ressaca para o e-commerce, no mesmo ritmo do primeiro semestre. “Nada preocupante o suficiente para justificar a extensão do movimento de vendas na Bolsa, em nossa opinião.”

No relatório, o BTG compara a Locaweb a concorrentes para provar sua tese. Pelas contas do banco, a Locaweb está sendo negociada a um múltiplo de cinco vezes o seu valor de mercado sobre as vendas estimadas para 2022, enquanto VTEX e Shopify, duas empresas de e-commerce que crescem a ritmo semelhante, operam a 15 vezes e 31 vezes, respectivamente.

Os analistas ressaltam também que a empresa está capitalizada e bem posicionada para se beneficiar de uma possível queda do mercado, pois a companhia encerrou o último trimestre com um caixa disponível de R$ 1,8 bilhão e pode realizar novas aquisições que adicionem valor à companhia.

No terceiro trimestre, a Locaweb teve lucro líquido ajustado de R$ 25,6 milhões, alta de 96,5% em relação a igual período do ano passado. A companhia vale R$ 8,21 bilhões.

Leia também

Brand Stories