Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.
 
 

Negócios

Abriu, fechou, abriu! A saga de um americano para manter sua empresa viva no Brasil

Ele captou dinheiro de grandes fundos, montou o e-commerce de vinhos Sonoma, fechou as portas por conta da crise e voltou com a operação usando aplicativos de entrega

 

Aly, da Sonoma: a segunda tentativa de emplacar o negócio

Em março de 2016, o empresário Alykhan Karim, um americano descendente de indianos que vivia no Brasil desde 2011, se viu no meio de um dos maiores dilemas de sua vida. Ou continuava a arriscar para manter viva a sua empresa ou fechava as portas e pagava todos os 50 funcionários e os seus fornecedores.

Aly, como costuma ser chamado, escolheu a segunda opção e a Sonoma, loja online de vinhos que ele havia fundado em 2014, em São Paulo, com dinheiro próprio e mais de US$ 3 milhões de fundos de venture capital como o 500 Startups e Karlani, sucumbiu à crise econômica do País e à falta de experiência de Aly.

“Peguei uma época turbulenta, de mudança de câmbio, de muita incerteza no Brasil”, diz Aly. E prossegue comentando sobre a burocracia brasileira que esmaga os empreendedores no dia a dia. “Eu não tinha experiência com questões que eram simples nos Estados Unidos, mas que eram difíceis no Brasil.”

Desde o tempo para importar os vinhos, um ciclo muito longo para desembaraçar, que chegava a nove meses, até conseguir uma inscrição estadual. “Nos Estados Unidos, demora um dia, aqui demorava dois meses”, diz Ali, formado em relações internacionais na Brown University e com especialização em economia e política internacional na Universidade de Salamanca.

Diante das adversidades, a Sonoma, que vendia vinhos de mais de 100 importadoras, tinha uma base de 30 mil clientes e faturava cerca de R$ 1,5 milhão por mês, não conseguia fechar no azul. “Precisava de mais US$ 2 milhões de injeção de capital para continuar. Mas não consegui.”

Sonoma 2: o retorno

Depois de encerrar a operação, recebeu um convite para trabalhar no Google e, em 2017, uma proposta de um antigo cliente da Sonoma: relançar a empresa calcada em novas bases. Aly resolveu voltar com o que hoje ele mesmo chama informalmente de Sonoma 2.

Centro de distribuição da Sonoma, em São Paulo

Com investimento desse antigo cliente, que ele não revela quem é, passou a trabalhar com importação direta. “Hoje, 60% das nossas vendas são de vinhos que são encomendados diretamente pelos clientes”, diz ele. Isso faz com que seu risco seja reduzido e só importa o que já está vendido.

“Os clientes compram com quatro meses de antecedência”, diz Aly. Ele diz conseguir isso porque vende vinhos premium e negocia preços melhores diretamente com os produtores. Um dos vinhos que Aly comenta é um Chateauneuf du Pape Rouge safra 2016 que recebeu 97 pontos da aclamada crítica britânica Jancis Robinson.

O exemplar, um Chateau Sixtine, vinho orgânico produzido no Sul da França, custaria entre R$ 700 e R$ 800. O empresário diz conseguir vendê-los aos clientes que encomendaram previamente por cerca de R$ 400 a garrafa em uma caixa de seis unidades.

O faturamento estimado da Sonoma é ainda tímido, algo ao redor de R$ 1,5 milhão por mês, se comparado a outros comércios eletrônicos de vinho como o Wine.com.br, hoje um dos maiores do mundo, com faturamento anual estimado em R$ 500 milhões, e da Evino, também uma gigante na área, mas que, segundo fontes do mercado, não vive seus melhores dias por conta de um estoque muito alto. Em nota, a Evino diz que “a questão está 100% normalizada e, ao longo deste ano, trabalha com os estoques adaptados para dois meses de venda.”

Aly afirma que a sua empresa vende para clientes diferentes. “Estou em um nicho mais premium. Enquanto a Wine vende vinhos de, em média, R$ 38; e a Evino, de R$ 29, eu vendo garrafas de, em média, R$ 95”, diz. “E estamos crescendo 600% ao ano”, diz o americano. Um executivo do setor de importação de vinhos disse ao NeoFeed que, apesar do crescimento, o grande desafio da Sonoma é manter a lucratividade.

Renascimento

O renascimento da empresa está intimamente ligado à nova economia. Foi com a ajuda de aplicativos de entrega como Loggi e Rappi que a Sonoma, cuja central é instalada no bairro do Itaim, em São Paulo, passou a ter mais agilidade. E, com a ajuda do WhatsApp, recebe os pedidos e os processa rapidamente.

No fim de 2017, a companhia lançou a Entrega 90. O cliente pede o vinho pelo site e, em no máximo 90 minutos, entrega na grande São Paulo. O frete varia entre R$ 15 e R$ 50. Mas, para pedidos acima de R$ 200, o frete é gratuito. “Atualmente, mais de 50% da nossas vendas vêm da entrega 90”, diz Aly.

“Vamos para Rio de Janeiro, Belo Horizonte e região de Campinas”

Por isso, a Sonoma, que hoje entrega em todo o Brasil, se prepara para lançar a mesma operação de Entrega 90 em outras cidades brasileiras. “Vamos para Rio de Janeiro, Belo Horizonte e região de Campinas”, diz Aly. A ideia é pegar carona no crescimento dos aplicativos de entrega, hoje gigantes avaliados em mais de US$ 1 bilhão.

Para desembarcar nas cidades com a agilidade prometida, a companhia terá de investir em centros de distribuição em cada região. “Já estamos preparando a operação no Rio de Janeiro. Depois, partiremos para outras cidades”, diz Aly.

Persistência

A história da Sonoma traz à memória uma campanha publicitária criada, em 2004, pela Associação Brasileira de Anunciantes. Na época, para resgatar a autoestima dos brasileiros que andava muito em baixa, a entidade lançou diversas peças publicitárias. O mote era “eu sou brasileiro e não desisto nunca”.

Ela trazia as histórias de superação de anônimos e de famosos. Entre eles, Ronaldo Fenômeno, que tinha se machucado várias vezes e se tornado campeão mundial de futebol pela seleção em 2002; e Herbert Viana, o cantor do grupo Os Paralamas do Sucesso que havia ficado paraplégico em um acidente de ultraleve em 2001, mas seguiu em frente com a carreira.

A crise econômica iniciada em 2014 e que lançou mais de 13 milhões de brasileiros ao desemprego já fez muitos brasileiros desistirem de procurar uma vaga no mercado de trabalho. Quem sabe a história do americano sirva para uma nova campanha. “Eu sou empreendedor e não desisto nunca.”

Reportagem atualizada no dia 15 de julho de 2019 

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO

 

Login

Acesse através
de sua rede social favorita:
Ou e-mail e senha cadastrados:
Esqueceu a senha?

Ainda não tem um conta? Faça seu cadastro

Cadastro

Acesse através
de sua rede social favorita:
Ou através das informações abaixo:
Li e aceito os termos e condições,
além da política de privacidade do site

Já tem um conta? Faça seu login