Credit Suisse liga o sinal amarelo para resultados de Localiza, Movida e Unidas

As três locadoras de veículos devem sentir as consequências da escassez de carros, com baixo crescimento nas tarifas e no volume de aluguéis neste primeiro trimestre de 2022

0
62
Leia em 3 min

Crise de semicondutores afeta as compras de locadoras de veículos

Um dos principais clientes das montadoras de automóveis, as locadoras de veículos devem ter mais um ano de dificuldades para renovar as suas frotas em 2022, em função da escassez de carros no mercado. E isso terá efeitos sobre os resultados.

A pandemia prejudicou gravemente a cadeia de produção e de fornecimento de peças em todo o mundo nos últimos anos, forçando as montadoras a reduzirem o ritmo de produção diante da falta de acessórios e equipamentos, principalmente semicondutores.

Embora a Anfavea, associação que representa as montadoras no país, calcule um crescimento de cerca de 9,4% da produção de carros em 2022, ela estima que esse avanço será incapaz de atender a demanda das locadoras para este ano, de cerca de 600 mil unidades – a expectativa é de que as entregas somem 400 mil veículos.

Esse cenário fez o Credit Suisse ligar o sinal amarelo para os resultados de Localiza, Movida e Unidas, as três principais locadoras do país no primeiro trimestre deste ano. Para os analistas Regis Cardoso, Henrique Simões e Alejandro Zamacona, a escassez de carros no mercado deve prejudicar o crescimento dos resultados financeiros, aumentando as despesas com depreciação da frota.

“Como vimos a produção de carros no Brasil atingir no primeiro trimestre o menor nível desde 2003, esperamos um número menor de compras de carros e renovação de frota neste trimestre, levando a um crescimento mais baixo e maior envelhecimento da frota”, diz um trecho do relatório.

O que pode ajudar a compensar em parte essa situação é a área de seminovos das locadoras, diante dos preços altos de revenda. Mas os analistas ressaltam que as dificuldades de renovação das frotas nas áreas de aluguel e gestão de veículos estão reduzindo o repasse de carros antigos para a venda.

Previsões

Primeira locadora a divulgar seus resultados, em 1º de maio, a Movida deve ter certo destaque no primeiro trimestre por ter conseguido aumentar sua frota em cerca de 5 mil carros, segundo as estimativas dos analistas do Credit Suisse.

Isso ajudou a expandir as diárias na parte de aluguel em 6%, em relação ao quarto trimestre, e em 3% o volume de diárias na parte de gestão, na mesma base de comparação.

A expectativa é de que o Ebitda da Movida atinja R$ 854 milhões no trimestre, alta de 10% em base trimestral e 180% na anual.

Para a Localiza, os analistas do Credit Suisse acreditam que o foco da atenção dos investidores estará nas medidas tomadas pela companhia para lidar com a alta de furtos de carros, situação que prejudicou duramente as margens no quarto trimestre.

Eles estimam crescimento de 2% no volume de diárias da parte de aluguel de carros e de 5% na área de gestão de frota, comparando com o quarto trimestre, e de 1% e 3% nas tarifas, respectivamente. Para o Ebitda, a projeção indica aumento de 13% em base trimestral e 32% na anual, para R$ 1,1 bilhão.

Olhando para a Unidas, que está sendo incorporada pela Localiza, o Credit Suisse espera que o fato de a tarifa média ter alcançado a casa dos R$ 100 no segmento de aluguel ajude a ofuscar o fato de que o volume de diárias ficou estável em relação ao quarto trimestre.

Na parte de gestão de frota, as diárias devem fechar o trimestre com avanço de 5%, puxadas pela disponibilidade de frota, combinada com avanço de 2% nas tarifas.

Com isto, a Unidas deve fechar os primeiros três meses do ano com Ebitda de R$ 731 milhões, aumento de 1% em relação ao quarto trimestre e 38% ante o mesmo período de 2021.

As ações das três locadoras operam em queda nesta sexta-feira, 22 de abril. Os papéis da Localiza caem 3,34%, a R$ 56,22; as ações da Unidas recuam 3,47%, a R$ 24,76; e os ativos da Movida registram uma desvalorização de 2,62%, a R$ 18,59.

Leia também

Brand Stories