Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.
 
 

Startups

Da Totvs para as startups: a nova vida de investidor de Laércio Cosentino

Fora do dia a dia da empresa que fundou, o empresário investe em startups de tecnologia, saúde e construção civil, como Mendelics, Brain4Care e Flores Online. O mais recente aporte é na Biosolvit

 

Laércio Cosentino, presidente do conselho de administração da Totvs

Desde que assumiu a presidência de administração da desenvolvedora de software Totvs e passou o comando operacional para Dennis Herszkowicz, em novembro do ano passado, o empresário Laércio Cosentino repete com frequência um trajeto.

Ele sai de seu apartamento na região dos Jardins, em São Paulo, e dá uma pequena volta a pé no quarteirão, chegando ao edifício onde está a sede de seu family office, o MCLC4 (as siglas sãs iniciais do nome de sua esposa, Maria Candida, as de seu próprio nome e o número de filhos que ambos têm).

No mesmo prédio estão instaladas a Loft, startup de compra e venda de imóveis, a plataforma de pagamentos PayGo e a Arco Educação, empresa de educação cearense que abriu o capital na Nasdaq, a bolsa eletrônica dos Estados Unidos. “As pessoas dizem que eu sou a pessoa mais velha do prédio”, brinca Cosentino, soltando uma sonora gargalhada.

A brincadeira parece não incomodar o empresário. Ao contrário. Cosentino tem mais experiência do que qualquer um dos empreendedores que trabalham naquele prédio.

Aos 58 anos, Cosentino construiu a Totvs adquirindo  mais de 40 empresas ao longo de seus 36 anos de história, desde que se chamava Microsiga. Deixou o dia a dia operacional da companhia com um faturamento de R$ 2,4 bilhões, 9 mil funcionários e 30 mil clientes.

Agora, ele quer levar essa longa experiência em fusões e aquisições para investir em startups através de seu family office em três setores: tecnologia, saúde e construção civil. “Hoje, eu tenho uma agenda mais flexível”, disse Cosentino, em entrevista ao NeoFeed. “Eu dedico parte do meu tempo para a estratégia da Totvs, mas também a outros investimentos do meu family office.”

O mais recente, revelado com exclusividade ao NeoFeed, é o aporte na Biosolvit, startup de biotecnologia especialista em remediação ambiental, que desenvolveu um absorvedor orgânico de petróleo a partir do resíduo de palmeira.

“Ela desenvolveu um polímero que suga o petróleo. Quando tem vazamento, você o coloca na mancha e ele suga tudo. Depois, em uma centrífuga, você separa o óleo e recupera o produto”, explica Cosentino, sem divulgar o valor do investimento.

A estratégia da MCLC4 é fornecer o seed money, dinheiro semente para os primeiros passos da startup

A startup foi fundada pelo analista de sistemas fluminense Guilhermo Pinheiro de Queiroz, que já foi sócio da operação da Totvs no sul do Estado do Rio de Janeiro. Neste ano, a Biosolvit ficou entre as 12 finalistas da competição “Startup World Cup Global Pitch Competition & Conference”, em São Francisco, nos Estados Unidos.

A Biosolvit, que também já recebeu investimentos do BMG e da Bossa Nova Investimentos, se une ao pequeno portfólio da MCLC4. Na área de tecnologia, Cosentino conta com a própria Totvs e com a Flores Online, um comércio eletrônico de flores.

Em saúde, o family office de Cosentino investiu na Mendelics e na Brain4Care. A primeira é focada em exames genéticos que preveem doenças raras, mesclando medicina e tecnologia. Ela conta também com um software de inteligência artificial que compila as informações individuais com mais precisão.

A Brain4Care, por sua vez, criou um dispositivo de internet das coisas que consegue medir a pressão intracraniana de forma inovadora e não invasiva. A startup foi fundada pelo cientista Sérgio Mascarenhas, hoje com 90 anos. O primeiro cliente foi o Hospital Sírio Libanês.

Na área de construção civil, Cosentino aposta da Inovalli, uma construtora e incorporadora. “Esse setor é nosso hedge”, afirma o empresário. “É uma forma de nos posicionarmos na velha economia.”

Cosentino também investiu na empresa de snacks orgânicos e saudáveis Mãe Terra. Mas saiu do negócio quando a companhia foi comprada pela Unilever, em 2017.

A estratégia da MCLC4 é fornecer o seed money, dinheiro semente para os primeiros passos da startup. Mas ela sempre reserva recursos para fazer aportes subsequentes, os chamados follow-ons. O empresário não revela o valor que tem para investir. “Se eu disser, o preço fica mais caro”, diz Cosentino.

O portfólio da MCLC4, no entanto, é bastante restrito. “Queremos fazer poucos investimentos, mas bons investimentos”, afirma. “Somos bem seletivos.” A decisão final sempre passa por Cosentino. Mas antes de chegar até ele, uma equipe faz a seleção das potenciais startups.

Um dia na Totvs

Nessa nova rotina, Cosentino reservou à Totvs toda terça-feira. Em vez de ir a pé ao escritório, como ele faz no family office, ele pega seu carro e atravessa a cidade até Santana, na Zona Norte de São Paulo, onde está localizada a nova sede da empresa.

Sua agenda é bem disciplinada. Das 8h30 até as 10h30, ele se reúne com Herszkowicz. “Combinamos que nunca seria menos do que duas horas, mas nunca mais”, diz Cosentino.

Depois, ele reserva a agenda para participar dos diversos comitês da desenvolvedora de software, como os de estratégia e de governança corporativa.

A Totvs também vai começar uma nova fase de aquisições. A empresa conta com R$ 1 bilhão, captados em maio numa operação de follow-on de ações na B3, para gastar em compras.

Mas a missão de investir esse dinheiro, pela primeira vez na história da Totvs, é de Herszkowicz e não de Cosentino.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO