Grupo Sabin “come pelas beiradas” e compra rede do interior de São Paulo

Grupo de análises clínicas vem fortalecendo sua atuação em cidades satélites de seus hubs e acaba de comprar a rede CML, de Vinhedo. A CEO Lídia Abdalla conta a estratégia com exclusividade ao NeoFeed

0
243
Leia em 3 min

Rede de laboratórios CML, com unidades em Vinhedo, Valinhos e Louveira

Nos últimos 10 anos, o Grupo Sabin Medicina Diagnóstica, levou a cabo um ambicioso projeto de expansão geográfica. Saiu do Distrito Federal para ocupar espaço em 12 estados e 72 cidades com um total de 323 unidades. O plano de crescer organicamente e com aquisições continua, mas agora com uma estratégia diferente.

O Sabin passou a comer pelas beiradas, criando hubs em grandes cidades para conectar a unidades espalhadas em outros municípios menores. O grupo fez isso em Uberaba (MG), em Palmas (TO) e Blumenau (SC). A bola da vez são as cidades de Valinhos, Vinhedo e Louveira, todas no interior de São Paulo.

O grupo acaba de assinar a compra da rede de laboratórios CML, que atua em análises clínicas e anatomia patológica e processou 600 mil exames no ano passado. “Vamos integrar essas clínicas ao nosso hub de Campinas”, diz Lídia Abdalla, presidente do Grupo Sabin, com exclusividade ao NeoFeed.

A ideia da companhia é povoar 15 cidades próximas de Campinas, onde o grupo já conta com seis unidades. “Estamos falando de uma população de mais de 3 milhões de habitantes”, diz a executiva. “Podemos chegar a 30 unidades na região em até cinco anos.”

A partir de agora, as clínicas adquiridas passarão a se chamar CML Grupo Sabin, até que sejam convertidas para a marca do grupo. “Vamos crescer com M&As e organicamente”, diz Lídia.

Lídia Abdalla, CEO do Grupo Sabin

É uma estratégia inteligente da empresa para fugir da competição ferrenha por ativos com os grandes players nacionais. “Compramos operações menores. Para a gente, há espaço.” E prossegue. “Nesses últimos dez anos, desenvolvemos um padrão de integração das novas unidades e o que vimos é que há cidades menores que têm demanda por serviços de saúde de qualidade.”

Com esse posicionamento, crescendo aos poucos, de cidade em cidade, padronizando o modelo de atendimento em todos os locais, a empresa investiu R$ 460 milhões em aquisições na última década e atingiu um faturamento de R$ 1,5 bilhão no ano passado. Para este ano, a projeção é crescer entre 15% e 20%.

A entrada em outras cidades também abre outra oportunidade para o grupo. Em dezembro do ano passado, o Sabin comprou a rede de clínicas Amparo Saúde, focada em atendimento primário.

Hoje, são oito clínicas e o grupo pretende levar a operação para grandes cidades nas quais o Sabin já atua. “Vamos levar todos os nossos serviços, inclusive a atenção primária, para Campinas e região”, diz Lídia.

Leia também

Brand Stories