No clã dos Barsi, pai, filho e investimentos à parte

O bilionário Luiz Barsi Filho é um dos maiores defensores da estratégia de investir em empresas que pagam dividendos. Já seu filho, Luiz Barsi Neto, do escritório de investimentos MMBarsi, não reza a mesma cartilha do pai

0
0
Leia em 9 min

Barsi Filho (à esq.), com uma fortuna de R$ 2 bilhões, aposta em dividendos. Barsi Neto (à dir.) administra uma carteira de R$ 300 milhões e investe até em fundos de criptomoedas

Os dois são Luiz Barsi: um é Filho, outro é Neto. O primeiro tem 83 anos, e um patrimônio estimado em R$ 2 bilhões, que lhe garante o título de maior investidor pessoa física no mercado de ações brasileiro; o segundo, 57, calcula sua fortuna em cerca de R$ 30 milhões, é assessor de investimento na XP.

Os dois atuam na Bolsa de Valores e dão conselhos de investimento; mas, a depender do Barsi que você ouvir, os conselhos serão muito, muito diferentes. “Não é que seja casa de ferreiro, espeto de pau”, explica Barsi Neto, que ficou com a mãe e três irmãos, aos sete anos, quando os pais se separaram.

“Acompanho a trajetória de meu pai há muitos anos; em 1991, quando me formei em economia (na Faculdade Capital, na Mooca), minha monografia foi sobre o projeto de ações para garantir o futuro”, explica. “Mas você há de convir que as coisas vão mudando, e você tem de mudar.”

A lógica do Barsi cinquentão é simples: as pessoas têm prioridades distintas e objetivos diferentes, o que leva alguns investidores a querer ganhos mais rápidos do que permite a paciente acumulação de riqueza que hoje traz conforto a seu pai. “Meu pai compra para o longo e médio prazo; hoje tem dinheiro, mas, com 83 anos, há coisas que não pode fazer com ele”, argumenta.

De fato, frugalidade e olho no dinheiro são marca tradicional do Barsi sênior. Um bilionário morador no Tatuapé, bairro de classe média em São Paulo, usuário contumaz do metrô, que hoje dirige um Tiggo, mas sempre preferiu carros confortáveis sem luxo de importados, como as minivans Zafira e Meriva.

“O melhor disfarce é ser comum”, costuma dizer o bilionário, capaz de andar umas quadras a mais ao descobrir em algum mercadinho mais distante um produto com preço ligeiramente menor do que o da vendinha mais próxima.

“É difícil falar para um cliente, um jovem, de 25, 30 anos, um empresário, com informação, ganhando seu dinheiro: ‘olha, você não vai comprar seu automóvel, agora, que custa R$ 200 mil, R$ 300 mil, porque vai ter de investir no longo prazo, para depois curtir o carro’”, argumenta Barsi Neto.

Administrando uma carteira avaliada por ele em torno de R$ 300 milhões, Barsi Neto comenta que “tem de olhar para tudo”. De projetos de investimento de longo prazo, com preferência para empresas de projetos consistentes e pagadoras de dividendos, como defende o pai, a fundos de investimento (detestados por Barsi Filho, que os acusa de ser mau negócio, com excesso de taxas e pouco compromisso dos gestores) – e até fundos baseados na cotação de criptomoedas, os ETFs negociados na Bovespa, como Hash11, que ele diz compor cerca de 10% de sua carteira.

Barsi Neto investe até em fundos baseados na cotação de criptomoedas

Barsi Neto comenta que, por estar vinculado à XP, não opera diretamente com criptomoedas, só em papéis vinculados a eles, negociados na Bolsa. Seus filhos, Matheus e Murilo, porém, são ativos nesse mercado, que chamou sua atenção quando um deles, em um curso de MBA, teve lições sobre blockchain.

“Quando começamos a ouvir sobre criptomoeda, eu soube que não tinha lastro, decidi nem olhar”, lembra o investidor, que, porém, ficou fascinado com os vídeos do cientista de computação Rafael Chanin, um atuante defensor de criptoativos. “Eles nada mais são que uma planilha finita de débito e crédito; oscila conforme quem compra e quem vende”, resume Barsi.

“Não é investimento para ficar bilionário, mas pode ser uma forma de proteger seu capital”, recomenda, ao comentar que usa operações em ETFs como hedge para outros investimentos em ações (“Compra Bolsa e vende Bova11”, exemplifica, citando o conhecido fundo de índice da Bovespa). Ele e os filhos calculam ter lucrado cerca de 50% do capital investido em índices de criptomoedas, até hoje.

Barsi Neto reconhece que já teve perdas nesses altos e baixos. Mas defende o ativismo, diferentemente do pai, que faz, há anos, a apologia dos investimentos com foco não na valorização dos ativos, mas na reaplicação dos rendimentos, com visão de longo prazo sobre a sustentabilidade dos negócios. “O mercado de valores é um mercado de oportunidades”, reage o investidor.

Ele chegou a trabalhar com o pai no começo da década de 2000, e garante que a estratégia de Barsi Filho não descarta eventualmente aplicações de maior risco, inclusive no mercado a termo, com operações de compra e venda em prazo futuro – mercado do qual o Barsi bilionário costuma, publicamente, recomendar distância, pelas altas possibilidades de perdas, mesmo para operadores experientes.

“Operei muito no mercado a termo, já tive prejuízos e lucros nesse mercado; meu pai também opera no mercado a termo, ele é um profissional de investimentos”, diz Barsi Neto. “Tudo que tiver dentro do mercado de investimento, ele faz; aluga ações como qualquer pessoa”.

“Operei muito no mercado a termo, já tive prejuízos e lucros nesse mercado; meu pai também opera no mercado a termo, ele é um profissional de investimentos”, diz Barsi Neto

Operações alavancadas – e em setores hoje evitados a todo custo por Barsi Filho, como aéreas e frigoríficos – estão por trás de uma separação sobre a qual a família não comenta. Após cerca de sete anos trabalhando com o pai na gestão de ativos próprios e de terceiros, Barsi Neto se desligou da sociedade, em plena crise financeira de 2008.

“Divergências de estratégias” é a explicação oficial para o desligamento que, conta o Barsi mais novo, o fez recomeçar do zero sua atuação como assessor de investimentos. “Meu foco era crescimento; o dele era ficar mais quieto; hoje ele também foca em crescimento”, comenta.

Barsi Filho (o bilionário), de fato, até opera no mercado a termo, mas, segundo defende, só para aproveitar oportunidades de investimento em boas empresas, subvalorizadas, com perspectivas de pagamento de bons dividendos, com o olho no médio e longo prazo.

Busca de oportunidades em meio ao risco não é nada de novo para Barsi Neto, que lembra ter começado, “por necessidade” a trabalhar aos oito anos, “fazendo carreto, vendendo limão”. Trabalhou em oficina mecânica e em supermercado, fez negócios com imóveis e automóveis; e, por onze anos, na Monsanto, onde começou como contínuo e saiu, aos 25 anos, como funcionário da área de compras.

Ele saiu para um negócio com o pai, que, segundo parentes, decidiu livrar-se de uma lotérica que havia comprado, assustado com uma onda de sequestros em SP. Barsi Neto, diz desconhecer essa motivação para a venda, e lembra que comprou a lotérica do pai com o dinheiro guardado como funcionário da multinacional, em onze promissórias, em valor equivalente a US$ 100 mil, segundo calcula.

Presente para os quatro filhos mais velhos, segundo Barsi Neto, o pai deu quando cada um deles casou: ofereceu a cada um a opção de escolher entre os imóveis do patrimônio do pai. Em 2001, Barsi Neto vendeu o que, por essa época, já era uma rede de lotéricas, e foi trabalhar com o pai, a convite.

Ele afirma ter convencido o pai a alugar suas ações do Banco do Brasil, um dos principais ativos da carteira de Barsi Filho; e as fez render durante o tempo em que trabalharam juntos. “Se não me falha a memória, chegaram a render R$ 600 mil ao mês”, diz.

Também garante que, pouco antes de se separarem nos negócios, foi ele, Neto, quem fez Barsi Filho passar a buscar posições nos conselhos das empresas em que investe. Ele argumenta que, para além da óbvia vantagem de ter maior acesso às decisões das empresas, defendendo os interesses dos minoritários, os postos nos conselhos fiscal e de administração não deixam de ser, também, uma maneira de auferir rendimentos (“dividendos”, compara o Barsi mais jovem) de suas carteiras.

Não é um argumento que seja acolhido abertamente pelo Barsi bilionário, que hoje, além de ser conselheiro de empresas tem a filha, Louise, também em postos estratégicos. Quem trabalha com Barsi pai afirma que ele defende aproveitar o lugar nos conselhos para influir na gestão e transformar as empresas em boas pagadoras de dividendos, e critica os conselheiros “por holerite”, interessados na remuneração. “Há empresas que pagam R$ 100 mil por mês a conselheiros; é também uma forma de fazer render seu dinheiro”, insiste Barsi Neto.

Em seu escritório MMBarsi, onde trabalha com os filhos Matheus e Murilo e mais 12 assessores, Barsi Neto vê a turbulência nas eleições como oportunidade de operar com os altos e baixos das ações. Não desdenha da fórmula adotada pelo pai, que dá preferência à segurança das ações “BEST”: bancos, elétricas, seguro e saneamento e telecomunicações.

Além de apostar em ações como Banco do Brasil, outra favorita do pai, Barsi Neto diz que vê, hoje, boas possibilidades em saneamento, telecomunicações e educação. Na carteira que administra, entre apostas na educação, o grupo educacional Cogna está em destaque, assim como a Oi, entre as teles. Ele comenta, porém, que tem clientes totalmente avessos à renda variável.

“E o que se faz com esses investidores? Recomendar poupança seria um crime; aí entram os fundos de investimento”, defende. Anátema para o pai, a ideia de investir, como alternativa ao Tesouro Direto, em fundos, “desde que bem administrados”, é defendida pelo filho. Entre as centenas de fundos na carteira que gerencia para a XP cita, de memória, que acompanha, o fundo Verde, o Ibiúna e o Alaska.

Diferentemente do pai, que sugere ao candidato a investidor aferrar-se a sua estratégia de médio e longo prazo baseada em dividendos, contando com o poder multiplicador dos juros compostos aplicados sobre o capital reinvestido, Barsi Neto se apresenta como um especialista disposto a adequar a carteira à personalidade de cada cliente.

Só recentemente, porém, passou a buscar maior visibilidade nas redes sociais, e em janeiro de 2021 criou (ou melhor, seus filhos criaram) um perfil no Instagram, onde atende a consultas. A pandemia lhe rendeu uma infecção por COVID, e interrompeu, no ano passado, uma série de vídeos que também começou a fazer, em seu site luizbarsi.com, falando de finanças, de maneira coloquial e bem-humorada.

Em maio, decidiu recomeçar sua presença nas telas. A febre de “lives” na pandemia aumentou a concorrência, mas Barsi é otimista… e realista: não há solução única, nem infalível, lembra ele. “Mesmo eu tendo mais de 38 anos de experiência no mercado, meu pai, com mais de 60 anos de experiencia, nós aprendemos todos os dias”, adverte, dando um conselho óbvio, mas esquecido com frequência. “Todo dia tem situação nova, nunca sabemos o que pode vir, ainda mais nesse mercado, hoje, totalmente globalizado…”

Leia também

Brand Stories