A receita “brasileira” da Volkswagen para enfrentar a Tesla nos EUA

O argentino Pablo Di Si, CEO da Volkswagen no Brasil e América Latina, vai comandar a montadora na América do Norte. Entenda como sua experiência aqui pode ajudar a combater a empresa de Elon Musk

0
0
Leia em 5 min

Pablo Di Si ao lado do modelo iD4

Na manhã da terça-feira, 26 de julho, a Volkswagen anunciou a fabricação dos modelos elétricos iD4 em sua fábrica de Chattanooga, no Tennessee, nos Estados Unidos. A unidade será a base para a distribuição desses veículos, até então importados da Europa, em toda a América do Norte.

Enquanto os funcionários celebravam esse marco, o argentino Pablo Di Si, a milhares de quilômetros dali, mais precisamente no bairro da Vila Olímpia, em São Paulo, falava sobre alguns de seus planos para o mercado – algo que vai impactar diretamente a operação americana.

Di Si, até então comandante da montadora alemã na América Latina, foi recentemente anunciado como o futuro presidente da Volkswagen na América do Norte, o que inclui as operações dos Estados Unidos, do Canadá e do México.

Ali, ele terá o desafio de enfrentar a todo-poderosa Tesla em sua terra natal e, mesmo que ainda não tenha assumido e se inteirado totalmente da operação que vai comandar, já tem uma receita em mente. “A mexida que fizemos no Brasil pretendo fazer por lá”, afirma Di Si ao NeoFeed. “O importante é nacionalizar a tecnologia nos EUA.”

A visão do executivo sobre a tecnologia automotiva vai além. “O perfil dos trabalhadores das montadoras vai mudar. Precisa ser desenvolvedor de software.” A análise vem em um momento crucial para a Volkswagen, vista pelo investidor Michael Burry como a montadora capaz de vencer a Tesla nesse campo.

Recentemente, a Volkswagen anunciou um plano de investir 73 bilhões de euros para produzir 130 veículos elétricos e híbridos até 2030. Mas a estrada para alcançar essa meta não está tão pavimentada quanto se imagina e uma profunda mudança no top management da companhia deixou isso mais evidente.

Na semana passada, o CEO global da montadora, o alemão Herbert Diess, foi demitido da empresa numa decisão que surpreendeu o mercado. Ele será substituído pelo também alemão Oliver Blume, CEO da Porsche, uma das marcas do grupo, que ainda conta com Audi e Bentley.

Diess caiu em desgraça por conta de problemas na Cariad, a unidade de desenvolvimento de software da Volkswagen. Problemas nos softwares estariam causando bugs e atrasando o lançamento de novos carros elétricos do grupo – sobretudo da Porsche, da Audi e da Bentley. E tempo é fundamental nessa corrida.

Hoje, os softwares da VW são desenvolvidos na Europa e exportados para outros países. Indagado pelo NeoFeed se a melhor solução não teria sido desenvolver softwares no Vale do Silício, o berço da tecnologia, Di Si é suscinto. “No comments”, diz, já “colocando em prática” o seu inglês.

O executivo, um ferrenho defensor do etanol, vai deixar a operação brasileira depois de uma virada na condução da companhia e de um plano de investimento aprovado de R$ 7 bilhões para o período de 2022 a 2026.

Sob sua direção, a Volks lançou mais de 20 modelos, focou em SUVs e tem hoje 17% de market share. Pela primeira vez, um carro desenvolvido no Brasil, o Nivus, foi levado para a Europa. Outro legado do executivo foi a transformação cultural da Volks na região, principalmente da operação brasileira, trazendo o modo ágil de trabalhar, parecido com o de uma startup.

Em uma entrevista ao NeoFeed, em outubro de 2019, Di Si detalhou o processo. “Essa mudança do mundo físico para o virtual eu já vi em várias indústrias e nós somos uma indústria lenta e pesada. Quem não mudar rápido, vai desaparecer”, disse o executivo na ocasião.

O presidente da Volks separou a área de novos negócios da área de negócios tradicionais, pois, segundo ele, “falam diferentes línguas e têm diferentes culturas”. Mas os times se cruzam quando os produtos são implementados.

“Em muitas coisas que estamos fazendo, você tem de errar e ser rápido para corrigir. E a nossa indústria foi treinada a não errar por motivos de segurança.” A autonomia para o time foi crucial nessa fase da companhia.

Di Si revelou, por exemplo, que os funcionários da empresa desenvolveram uma técnica para desenhar e criar protótipos virtualmente e só apresentaram para os executivos quando estava pronto. “Eles foram fazendo e não nos disseram nada. Aí chegaram com tudo pronto”, diz ele.

Ele se referiu ao projeto que fez com que o tempo de desenvolvimento de um carro fosse reduzido em nove meses. Antes, para desenhar um carro, o processo era manual, tinham pastas e mais pastas, era necessário fazer um mockup e processo era demorado. “Hoje, em cinco horas, você desenvolve dez versões de um carro com equipamentos de realidade aumentada”, afirma Di Si.

Uma vez que o carro é desenhado, um protótipo é construído. Antigamente, era necessário produzir cerca de seis carros físicos para chegar em um único modelo. “Hoje é um chassi e, com o 3D e a realidade aumentada, as peças são instaladas no mundo virtual”, diz Di Si. Depois de testes, erros e acertos, fazem um só protótipo. “Ganhamos economia de tempo e proximidade com o consumidor final”, afirmou o executivo.

Agora, prestes a assumir o comando da operação na América do Norte, Di Si, planeja intermediar uma integração entre os mercados brasileiro e mexicano. “São muito parecidos. Podemos convidar os mexicanos para desenvolver carros em conjunto com os brasileiros”, afirma.

Esses e outros planos poderão ser colocados em prática, a partir de setembro. Nada mal para quem foi para os EUA, aos 17 anos, depois de conseguir uma bolsa de estudos na Loyola University, de Chicago, porque era um bom jogador de futebol.

Para se manter por lá, arrumou um emprego na antiga Varig, no qual carregava malas dos passageiros. Hoje, aos 53 anos, vai levar as próprias malas para Washington D.C., de onde vai comandar uma das operações mais importantes da Volkswagen.

Leia também

Brand Stories