Intelbras mira energia solar e faz maior aquisição da sua história

Para impulsionar sua divisão de energia, a companhia anunciou a compra da Renovi Energia Solar, fabricante catarinense de geradores fotovoltaicos, em um negócio de R$ 334,3 milhões

0
449
Leia em 3 min

No terceiro trimestre de 2021, a divisão de energia da Intelbras reportou uma receita operacional líquida de R$ 137,7 milhões

Desde que abriu capital, em fevereiro de 2021, a Intelbras teve uma estratégia tímida em aquisições. Na época, a área foi destacada como um dos destinos dos R$ 724,5 milhões captados em sua oferta primária, como parte do total de R$ 1,3 bilhão levantado no IPO.

De lá para cá, a fabricante catarinense de equipamentos de comunicação e de segurança fechou apenas uma transação, com a compra, em abril de 2021, de 75% da Khomp, empresa de produtos e serviços nas áreas de telecomunicações, controle de acesso e internet das coisas, por R$ 89,1 milhões.

Agora, porém, a Intelbras está de volta ao balcão. E com a maior aquisição da sua história. A companhia acaba de anunciar a compra de 100% da conterrânea Renovigi Energia Solar, fabricante de geradores fotovoltaicos, em um negócio de R$ 334,3 milhões.

Pelos termos do acordo, o montante inclui um valor fixo de R$ 284,1 milhões, sendo R$ 83,5 milhões à vista e, após uma carência de sete meses, R$ 200,6 milhões divididos em 17 parcelas mensais corrigidas pelo CDI. A transação envolve ainda um valor variável, atrelado a determinadas metas, estimado em R$ 50,1 milhões, que será quitado em três parcelas anuais.

Em comunicado sobre a aquisição, a Intelbras destacou que o negócio integra sua estratégia de se consolidar como uma referência no mercado de energia solar, além de reforçar seu crescimento sustentável e sua capacidade produtiva e comercial.

“A aquisição trará aos diversos canais de vendas e parceiros uma grande oportunidade de realização de negócios, ampliando ainda mais a disponibilidade de produtos ao mercado local, fazendo com que toda a cadeia seja beneficiada”, afirmou, na nota, Altair Silvestri, CEO da Intelbras.

Fundada em Chapecó (SC), em 2012, a Renovigi reportou um faturamento de R$ 799,4 milhões em 2021, com um Ebtida de R$ 49,8 milhões no período. A empresa tem aproximadamente 200 funcionários e uma rede com mais de 4 mil empresas credenciadas.

De acordo com a Intelbras, as duas companhias irão manter suas operações comerciais independentes e as sinergias serão captadas nos processos internos de gestão de aquisição, logística e finanças. Como parte do acordo, Gustavo Müller Martins e Carlos Tadashi, sócios-fundadores da Renovigi, seguirão à frente da operação.

Alguns números compõem a tese da aquisição. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), em 2021, o Brasil ultrapassou 12 gigawatts de potência instalada nessa matriz, o que supera, por exemplo, fontes como as termelétricas movidas a petróleo e outros fósseis.

Atualmente, o País tem mais de 828 mil sistemas fotovoltaicos e, desde 2012, o segmento já atraiu mais de R$ 48 bilhões em investimentos.

Impulsionada pela energia solar, a Intelbras também vem registrando bons indicadores em sua unidade de negócios dedicada à energia. No terceiro trimestre de 2021, a divisão apurou uma receita operacional líquida de R$ 137,7 milhões, alta de 128,7% sobre igual período, um ano antes. Entre julho e setembro, a receita total da companhia cresceu 24,1%, para R$ 758,9 milhões.

A Intelbras está avaliada em R$ 10,2 bilhões. Em 2022, suas ações acumulam uma valorização de 12,3%.

Leia também

Brand Stories