Vamos pega “carona” para oferecer produtos financeiros a transportadoras

A empresa de locação e venda de caminhões do grupo Simpar está testando um portfólio financeiro em parceria com o Banco BBC Digital. O CEO Gustavo Couto fala desse e de outros temas ao Conexão CEO

0
0
Leia em 2 min

Desde o seu IPO, em janeiro de 2021, a Vamos, companhia de locação e venda de caminhões, máquinas e equipamentos controlada pela Simpar, vem pontuando sua jornada como companhia aberta com aquisições.

Com o plano de construir um ecossistema no entorno de seus principais negócios e avançar na meta de chegar a um portfólio de 100 mil ativos em 2025, foram cinco acordos nesse intervalo. O mais recente, a compra de uma fatia de 70% da Truckvan, anunciada em março e concluída no início deste mês.

A estratégia de M&A segue ativa no horizonte da companhia, avaliada em R$ 11,3 bilhões e dona do melhor desempenho entre as novatas na B3 em 2021. Mas, em paralelo a essa via, uma das próximas paradas do percurso da empresa envolve suas próprias fronteiras. Ou melhor, do grupo Simpar.

Esse caminho passa por uma carona com o Banco BBC Digital, plataforma da Simpar que obteve, em dezembro de 2021, a aprovação do Banco Central para operar como um banco múltiplo. A partir dessa conexão, o plano da Vamos é oferecer produtos e serviços financeiros em suas operações.

“Hoje, esse banco está pronto, por exemplo, para financiar e promover recursos financeiros através de capital de giro e outras fontes para os transportadores”, diz Gustavo Couto, CEO da Vamos, em entrevista ao Conexão CEO (vídeo completo acima).

Segundo o executivo, a empresa já tem projetos-pilotos nessa direção sendo tocados junto a uma pequena base de companhias clientes que compõem a sua carteira para testar a aderência dessa oferta, atrelada à locação de ativos, e quais produtos fariam mais sentido nesse contexto.

“Já temos algumas operações que ainda são pequenas para o nosso volume, mas temos aprendido”, observa Couto. “A ideia é que, no intervalo de um ano, a gente consiga ter um pouco mais de expressão com esse modelo de negócio.”

No programa, além de dar mais detalhes sobre esses planos, o executivo fala de temas como M&A, internacionalização, efeitos do cenário macroeconômico na operação, a estratégia de estoque da companhia e o modelo comercial inspirado nas consultoras da Natura e nos agentes autônomos do mercado de investimentos.

Leia também

Brand Stories