Negócios

Fluxo de pessoas em supermercados cai, mas gastos crescem 39%, aponta estudo da Dotz

A crise do coronavírus ainda passa longe do varejo alimentar, segundo pesquisa da empresa de fidelidade Dotz, com 2,3 milhões de consumidores de 16 redes de supermercados, revelados com exclusividade para o NeoFeed. Hábitos de consumo também mudaram

 

Supermercados pesquisados têm faturamento somados de R$ 15 bilhões

Os gastos dos consumidores em supermercados cresceram 39% no período de 31 de março a 6 de abril, comparado com 1 a 7 de março. Os dados são da pesquisa Insights Dotz do Varejo, antecipados com exclusividade para o NeoFeed.

Ao mesmo tempo, o fluxo de pessoas às lojas reduziu-se em 44%, num claro sinal de que os consumidores estão indo menos vezes aos estabelecimentos comerciais, mas aumentando o seu tíquete médio, que passou de R$ 95,60 para R$ 132,90.

“Há uma mudança importante também no carrinho de compras”, afirmou Roberto Chade, CEO da Dotz, empresa de fidelidade com forte penetração no varejo de alimentos. “As compras de itens de higiene, de limpeza, de hortifrútis e de alimentação, como leite, café e açougue, aumentaram.”

De acordo com os dados da pesquisa, as vendas de itens de limpeza, como sabonetes e papel higiênico, aumentaram 8%. Em alimentação, o crescimento foi de 7%, em especial de aves congeladas. A categoria de hortifrútis, por sua vez, observou uma expansão de 10%.

As pessoas com mais de 60 anos aumentaram também seus gastos em 29%. A frequência caiu somente 10%, o que indica que apesar de irem menos vezes aos supermercados, eles têm frequentado, na média, mais vezes o ambiente do que os consumidores que estão fora do grupo de risco do Covid-19.

Os dados do Insights Dotz do Varejo são baseados nas compras de 2,3 milhões de consumidores que usam o programa de fidelidade Dotz.

Foram coletadas informações de 16 redes regionais, como Angeloni (região Sul), Super Nosso (Belo Horizonte), Big Box (Distrito Federal), Paulistão (interior de SP), Mercadinhos São Luiz (Fortaleza), Prezunic (Rio de Janeiro), Carone (Espírito Santo), entre outros.

As redes de supermercado que participaram da pesquisa têm faturamento combinado de R$ 15 bilhões. Se fossem uma empresa, estariam atrás apenas de Carrefour, Pão de Açúcar e BIG (ex-Walmart).

A troca de dotz, como são chamados os pontos da empresa, por produtos e serviços também se alterou com a crise. As viagens aéreas, que representavam cerca de 15% dos resgates da Dotz, caíram para zero. “O que aumentou foi o resgate de recarga de celular e o uso para pagamentos das compras de supermercado”, afirma Chade.

O tíquete médio passou de R$ 95,60 para R$ 132,90

O CEO da Dotz diz que é cedo para saber se esse comportamento do consumidor vai se manter nas próximas semanas. “O impacto inicial foi de medo de que fosse parar tudo”, diz Chade. “Agora, vai começar o impacto na renda e do aumento do desemprego. Vamos acompanhar.”

Conta digital

A pesquisa Insights Dotz do Varejo, que passa a ser divulgada semanalmente pela Dotz, é apenas uma das iniciativas que a companhia, que conta com 40 milhões de clientes e tem faturamento na casa dos R$ 400 milhões, está adotando para enfrentar essa crise sanitária e econômica por conta da Covid-19.

Roberto Chade, CEO da Dotz

A principal iniciativa é o lançamento de um superaplicativo em maio, que vai incluir recursos como o de uma conta digital, pagamentos, ofertas customizadas e serviços financeiros, além dos dados de seu programa de fidelidade.

“Pensamos se devíamos segurar ou não o lançamento do superaplicativo, mas chegamos à conclusão que é neste momento que as pessoas têm mais uso”, afirma Chade.

O superaplicativo é fruto de um trabalho mais de dois anos de pesquisa. Ele concentrará todos os dotz dos consumidores, que poderão ser convertidos em reais e usados para pagamentos de contas e compras, bem como serem transferidos para uma conta bancária.

Nos pontos de vendas parceiros da Dotz, o consumidor poderá usar seu saldo em dinheiro ou em dotz para pagar as contas apenas informando o CPF. O aplicativo gerará um “token”, como os usados por bancos para o acesso ao internet banking, que garantirá a segurança da transação.

A Dotz vai criar ainda um marketplace de crédito. Como tem acesso ao histórico de compras do consumidor, a empresa desenvolveu uma espécie de “score Dotz”, que será usado para fornecer dinheiro pelos parceiros. O primeiro deles é a fintech Credisfera. “Esse score vai aumentar a assertividade na concessão de crédito”, afirma Chade.

Os planos são também de estrear o superaplicativo com uma plataforma de investimentos integrada. A Easynvest será o primeiro parceiro do marketplace, que deverá contar também com os produtos financeiros de Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, parceiros da Dotz.

Outro recurso do superaplicativo será um marketplace de serviços. Nessa primeira fase, a Dotz fechou parceria com a Uber e a Uber Eats. A ideia é, ao longo do tempo, negociar acordos com outras empresas.

“Antes, o consumidor fazia transações com dotz quatro vezes ao mês. Eu quero, agora, que faça quatro vezes ao dia”, diz Chade. “E, em todas as transações que fizer no aplicativo, ele vai ganhar dotz, desde o pagamento de contas até as compras.”

A Dotz também está incentivando os consumidores a doarem dotz para serem usados no combate a pandemia da Covid-19. A meta é arrecadar R$ 1 milhão para doar a hospitais públicos.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

UM CONTEÚDO:

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO