SEC prepara regras para combater “greenwashing” no mercado financeiro

Xerife do mercado de capitais americano, a SEC prepara regras para regular como fundos realizam e divulgam suas iniciativas nas áreas ambiental, social e de governança

0
0
Leia em 2 min

O mercado global de fundos ligados ao ESG somou US$ 2,8 trilhões no primeiro trimestre de 2022

Ser ESG virou questão de ordem para empresas e investidores nos últimos anos. Em meio à crescente demanda da sociedade para que questões ambientais, sociais e de governança constem nas decisões de investimentos, muitas empresas e gestoras começaram a anunciar produtos e iniciativas que, segundo eles, obedecem esses três preceitos. 

Enquanto alguns serviços e produtos financeiros de fato cumprem com os itens que compõem o acrônimo, outros adotam apenas o discurso, mas, na prática, nada fazem. É o que se convencionou chamar de greenwashing, conceito que pode ser resumido como pintar de ESG produtos e serviços que, na verdade, não atendem a esses requisitos. 

Identificar quem de fato cumpre os preceitos ESG e aqueles que estão enganando investidores e consumidores virou um problema e a Securities and Exchange Commission (SEC), quer endereçar isso no mercado de capitais. 

Xerife do mercado americano, a SEC está preparando uma série de regras para estruturar e padronizar como os fundos de investimentos que tenham termos como ESG, sustentável e baixo carbono em seus nomes realizam e divulgam suas iniciativas. As informações são do jornal britânico Financial Times, que ouviu pessoas familiarizadas com a iniciativa. 

A ideia da autarquia é exigir que as gestoras informem como o ESG é incorporado nas decisões de investimentos e como os fundos votam nas assembleias ordinárias das empresas em que possuem participação. 

A demanda por fundos que obedeçam os preceitos ESG cresceu fortemente nos últimos anos. O mercado global de fundos ligados a questões de sustentabilidade somou US$ 2,8 trilhões no primeiro trimestre de 2022, segundo dados da Morningstar, acima do US$ 1 trilhão apurado em 2019. De acordo com a consultoria, levando-se em conta apenas os Estados Unidos, 65 fundos foram reembalados como ESG. 

No Brasil, existem em torno de 45 fundos de ações que se enquadram na categoria sustentabilidade e governança, com patrimônio líquido de R$ 1,8 bilhão, segundo dados apurados em abril pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

A SEC já vem sinalizando que prestará mais atenção à questão de fundos que se vendem como ESG. Na segunda-feira, dia 23 de maio, o órgão informou que a divisão de assessoria de investimentos do BNY Mellon concordou em pagar uma multa de US$ 1,5 milhão para encerrar um caso sobre acusações de não omissão de preceitos de ESG em decisões sobre alocação de fundos. 

Leia também

Brand Stories