Zendesk vende operação e fecha capital em acordo de US$ 10,2 bilhões

A companhia de software de atendimento ao cliente anunciou a venda da sua operação para um grupo de investidores liderado pelas gestoras de private equity Permira e Helmann & Friedman

0
0
Leia em 3 min

A Zendesk tem mais de 160 mil clientes em 17 operações, incluindo o Brasil

Fundada em 2007, na Dinamarca, a Zendesk ganhou outras fronteiras até chegar, em 2014, à Nasdaq, quando foi avaliada em US$ 1,7 bilhão em seu IPO. Agora, a companhia de software de atendimento ao cliente escolheu buscar mais um destino nessa trajetória. E, dessa vez, longe do mercado de capitais.

A empresa anunciou nesta sexta-feira, 24 de junho, que fechou um acordo para ser adquirida por um grupo de investidores liderado pelas gestoras de private equity Permira e Hellman & Friedman. Na transação, a companhia foi avaliada em cerca de US$ 10,2 bilhões.

Pelos termos acordados, os acionistas da empresa, que passará a operar como companhia de capital fechado, irão receber US$ 77,50 por ação, oferta que representa um prêmio de aproximadamente 34% sobre o preço de fechamento das ações na quinta-feira, 23 de junho.

“Esse é o início de um novo capítulo para a Zendesk”, afirmou Mikkel Svane, fundador e presidente do conselho da Zendesk, em comunicado. “Com o apoio da Hellman & Friedman e da Permira, seguiremos executando nossa estratégia de longo prazo com nossos clientes como nossa principal prioridade.”

Além das duas gestoras, o grupo de investidores envolvidos na aquisição inclui recursos de uma subsidiária integral da Abu Dhabi Investment Authority (ADIA) e do Fundo Soberano de Cingapura (GIC). A expectativa é de que o acordo seja fechado no quarto trimestre de 2022.

O acordo chega depois de a Zendesk anunciar no início do mês que seu Conselho de Administração havia concluído uma “análise abrangente” de alternativas para aumentar o valor da operação para os acionistas, o que incluiu o interesse inicial de 26 potenciais investidores dispostos a comprar o ativo.

Entretanto, ao alegar que não havia recebido, de fato, nenhuma proposta firme, a companhia informou que seu board decidiu, na época, que o melhor caminho seria a seguir operando como uma empresa independente e de capital aberto.

“O Conselho realizou uma extensa revisão estratégica durante um período de três meses, recebendo uma oferta da Hellman & Friedman e da Permira após o término desse processo formal”, disse, em nota, Carl Bass, diretor independente da Zendesk. “E o Conselho concluiu que essa transação era a melhor alternativa e votou por unanimidade para apoiar o acordo.”

Com mais de 160 mil empresas em sua carteira e mais de 6 mil profissionais distribuídos em 17 países, a Zendesk chegou ao Brasil em 2012. No País, a base de clientes da empresa inclui nomes como Magazine Luiza, Serasa, Raízen, Loft e Nubank.

No primeiro trimestre de 2022, a companhia reportou uma receita de US$ 388,3 milhões, o que representou um crescimento de 30% sobre igual período, um ano antes. Nesse intervalo, a empresa apurou um prejuízo de US$ 66,9 milhões.

Com o anúncio desta sexta-feira, as ações da Zendesk, avaliada em US$ 9 bilhões, registravam alta de 27,75% na Nasdaq, por volta das 11h15 (horário local). No ano, porém, os papéis acumulam uma desvalorização de 29%.

Leia também

Brand Stories