Lazari Jr., do Bradesco, sobre a bandeira Elo: “É o caminho natural que faça um IPO”

O presidente do Bradesco disse ao NeoFeed que uma abertura de capital da bandeira de cartões pode acontecer ainda neste ano ou, no mais tardar, em 2022

0
144
Leia em 3 min

Octavio de Lazari Junior, presidente do Bradesco

Em janeiro deste ano, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, declarou que a bandeira de cartões Elo poderia passar por um processo de abertura de capital, mas que faltava combinar com os outros acionistas, o Bradesco e o Banco do Brasil.

Nesta semana, uma reportagem publicada no jornal Valor Econômico revelou que os bancos se movimentam para negociar a empresa ou por meio de um processo de abertura de capital ou por venda direta a um concorrente. Mas nenhuma empresa se pronunciou sobre isso, ainda que seja notório o interesse do BB em se desfazer de ativos que não façam parte de seu core.

Indagado pelo NeoFeed sobre essa possibilidade, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, foi direto ao ponto. “É o caminho natural que a Elo faça um IPO”, disse Lazari com exclusividade ao NeoFeed. “Parte seria free float, com a governança separada. É uma empresa que caminha a passos largos para isso porque é uma companhia que está muito bem”, disse o executivo.

Ainda não há uma data definida para que isso ocorra, mas não deve demorar. “Se não for neste ano, acredito que em 2021 ou 2022. É uma companhia que tem de abrir o seu capital”, disse. E prosseguiu. “Ela atingiu um tamanho bastante relevante no mercado. Hoje não tem mais problema de utilização de cartão da Elo em nenhum lugar do Brasil e em nenhum lugar do mundo”, afirmou o executivo.

Criada nos anos de 1970 pelo Bradesco, a Elo desapareceu e voltou ao mercado em 2011. “Resgatamos a marca lá de trás, trouxemos o Banco do Brasil e a Caixa, que sempre foram parceiros muito bons para fazer negócio, demos volume para isso e ela cresceu muito”, diz Lazari.

Presidida pelo executivo Eduardo Chedid, a Elo tem o controle dividido da seguinte forma. A Elopar, joint venture de Bradesco e BB, tem 56,969% da empresa, a Caixa conta com uma fatia de 36,889% e o Bradesco com outros 6,142%.

“Resgatamos a marca lá de trás, trouxemos o Banco do Brasil e a Caixa, que sempre foram parceiros muito bons para fazer negócio, demos volume para isso e ela cresceu muito”, diz Lazari.

Os dados de 2019 apontam que a Elo tem uma participação de 14% do mercado com 132 milhões de cartões emitidos. “A Elo, assim como as bandeiras Mastercard e Visa, que têm um senhor valor de mercado hoje, nasceu da nossa vontade de ter uma bandeira própria”, afirma Lazari.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também