Na Netflix, a “próxima temporada” pode ser igual a uma série de terror

Netflix vê ritmo de crescimento diminuir sem o efeito da série “Round Six” e projeta um 2022 difícil. No mercado, as ações caem mais de 20% e a empresa perde mais de US$ 45 bilhões em valor

0
323
Leia em 3 min

Os últimos resultados trimestrais da Netflix mostram que o serviço de streaming de filmes se tornou refém de seu próprio sucesso. Depois de uma alta acima das expectativas no número de assinantes durante o terceiro trimestre do ano passado, os resultados do quarto trimestre mostram que manter o ritmo de crescimento parece ser uma verdadeira prova de resistência para a companhia de Los Gatos, na Califórnia.

O balanço financeiro do quarto trimestre de 2021 da Netflix, período em que a companhia consegue um maior número de assinantes, aponta que a companhia teve 8,3 milhões de novos assinantes. O número é inferior à projeção da empresa, que ficou estabelecida em 8,5 milhões.

Para efeito de comparação, a Netflix havia registrado um aumento de 4,4 milhões de assinantes no terceiro trimestre, número bem acima da projeção de 3,8 milhões para o período. Uma das razões apontadas foi o sucesso da série sul-coreana Round Six, que se tornou um fenômeno global.

O sucesso momentâneo da série, que está em negociação para uma segunda temporada, entretanto, não foi o suficiente para impedir que a Netflix tivesse seu pior ano em termos de crescimento desde 2015. Foram apenas 18,2 milhões de novos assinantes em 2021, queda de quase 50% em relação aos números de 2020 – que foram inflados pela pandemia.

Enquanto o seriado não ganha uma segunda temporada ou a empresa não emplaca outro hit de sucesso, a Netflix se prepara para trimestres conturbados pela frente. Para o próximo período financeiro, que corresponde aos primeiros três meses de 2022, a projeção é aumentar a base de assinantes em 2,5 milhões – bem abaixo dos 4 milhões de assinantes conquistados no primeiro trimestre de 2021.

As projeções pessimistas da empresa já se refletem no mercado. As ações da companhia negociadas na Nasdaq estavam em queda de 21,7% nesta sexta-feira, 21 de janeiro, por volta das 13h30. Com isso, a empresa já perdeu mais de US$ 45 bilhões em valor de mercado. Ela, agora, vale US$ 178,5 bilhões.

No quarto trimestre, o lucro líquido da Netflix caiu 58%, passando de US$ 1,4 bilhão para US$ 607 milhões na comparação com o terceiro trimestre. Na comparação anual, houve avanço de 11,9%. A receita foi de US$ 7,71 bilhões, um avanço de 16% na comparação anual.

Com 222 milhões de assinaturas ativas até o fim de 2021, a Netflix continua na liderança do mercado, mas vê sua distância para os rivais diminuir. A Disney, que além de seu próprio serviço de streaming ainda é dona das plataformas Hulu e da ESPN, já conta com 179 milhões de assinantes e deve aumentar consideravelmente sua base com a expansão geográfica do streaming Disney+ para o dobro dos países em que opera atualmente até o fim do ano fiscal de 2023.

Outro rival é a HBO. A companhia terminou 2021 com 73 milhões de assinantes, número que considera o serviço de streaming HBO Max e o acesso ao conteúdo da emissora em pacotes de televisão por assinatura.

Para reverter o cenário, a Netflix trabalha com algumas alternativas. Um dos alvos está no populoso mercado indiano, onde a companhia está diminuindo o preço de suas assinaturas – ao contrário do que a empresa vem fazendo em outros mercados, como Estados Unidos e Canadá.

Em outro esforço, a empresa também vem investindo na diversificação de seu negócio com a criação de uma área de streaming de games. Para isso, recentemente realizou a aquisição do estúdio de jogos Night School e também vem produzindo jogos dentro de casa – inclusive aproveitando o sucesso de algumas de suas produções televisivas autorais, como Stranger Things.

Leia também

Brand Stories