Nubank esquenta a guerra das maquininhas (sem maquininhas). Mas terá algum impacto?

O Nubank investe em uma solução de pagamento por aproximação, no lugar das famosas maquininhas, para ingressar na disputa com Stone e PagSeguro

0
0
Leia em 7 min

A solução NuTap, do Nubank, dispensa as maquininhas

Uma semana depois de estrear no ainda nascente mundo das criptomoedas, o Nubank anunciou a entrada em mais um segmento, como parte da estratégia para expandir seus limites. Dessa vez, porém, a escolha foi por um mercado extremamente concorrido: o setor de adquirência.

A chegada nessa disputa acontece, porém, por meio de um atalho. Em vez das famosas maquininhas, símbolos de uma “guerra” já antiga nesse espaço, o Nubank decidiu desembarcar nessa arena com uma solução de pagamentos por aproximação, via celular e aplicativo, batizada de NuTap.

“Feliz de anunciar hoje o NuTap, um presente para nossos mais de 1,6 milhão de microempreendedores, que já podem esquecer essas maquininhas caras e desnecessárias”, escreveu David Vélez, cofundador e CEO do Nubank, em postagem no LinkedIn, sem deixar de “alfinetar” o modelo tradicional do setor.

O lançamento reforça o portfólio do Nubank voltado a esses 1,6 milhão de microempreendedores, uma base que cresceu 167% entre o primeiro trimestre de 2021 e o primeiro trimestre deste ano. E o NuTap vem acompanhado de alguns apelos para atrair esses e, quem sabe, mais correntistas.

A solução estará disponível para pagamentos por cartão de crédito ou débito, via aproximação, em celulares com o sistema operacional Android, do Google, e tecnologia NFC. E também receberá pagamentos das principais carteiras digitais, como Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay.

“O NuTap é uma resposta a pedidos que recebíamos frequentemente de nossos clientes PJ, especialmente o microempreendedor”, diz Livia Chanes, vice-presidente de produto do Nubank, ao NeoFeed. “E leva a tecnologia a serviço da principal dor desse público: o alto custo para receber pagamentos por cartão.”

Inicialmente, a oferta será lançada apenas no mercado brasileiro. “No México e na Colômbia, nosso foco é o desenvolvimento do nosso cartão de crédito, um segmento em que há enormes oportunidades nesses dois países”, afirma Chanes.

Com um valor limite para as transações de R$ 199,99, um dos pontos destacados pela fintech é a cobrança, segundo a empresa, de tarifas até 30% menores que as da concorrência e sem um volume mínimo de vendas atrelado.

No cartão de crédito, as tarifas cobradas serão de até 3,19%, para os pagamentos à vista, e de até 12,49%, nas transações parceladas em 12 vezes. De acordo com o Nubank, que cita pesquisas internas, as taxas médias no mercado são de, respectivamente, até 4,99% e 22,59%.

Perspectivas

Com esse cartão de visitas e uma base significativa de usuários que pode permitir um rápido ganho de escala, o anúncio chamou a atenção do mercado. Fontes ouvidas pelo NeoFeed divergem sobre os impactos no setor. Mas há um consenso no que diz respeito aos desafios e objetivos do Nubank.

“O Nubank escolheu a opção tecnicamente mais barata, evitando os custos de gestão e manutenção dos equipamentos”, diz Fabricio Winter, sócio da consultoria Boanerges & Cia. “E a empresa chega com sua pegada de reforçar que é diferente, mas não há nada de matador e fenomenal nessa solução.”

Winter ressalta ainda o fato de a NuTap demandar aparelhos com o sistema Android e tecnologia NFC como uma limitação para o ganho de escala. Ao menos, no curto prazo. Assim como o valor limite de R$ 199 e a resistência de uma parcela significativa dos empreendedores e consumidores a essa tecnologia.

“Essas barreiras não são exclusividade do Nubank. Mesmo em um outro contexto, já vimos outras iniciativas nessa direção que não deram em nada”, afirma. “E o fato é que eles não estão entrando em um oceano azul. Estão entrando em um oceano vermelho.”

Apesar dessas questões, os pagamentos por aproximação vêm avançando no mercado brasileiro, especialmente a partir da chegada da Covid-19. É o que mostra um levantamento recente da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs).

Segundo a pesquisa, o Brasil registrou um volume de R$ 103,2 bilhões em transações nessa modalidade no primeiro trimestre de 2022. O montante representou um crescimento de 455,9% sobre igual período, no ano passado.

“Nesse cenário, faz muito sentido implantar esse produto. O Nubank tem uma base relevante de contas PJ, uma marca bastante consolidada e um atendimento impecável”, diz Rafael Durer, fundador da RD, consultoria especializada em varejo financeiro. “E pode atrair um bom público, a princípio.”

Ele entende, porém, que esses ingredientes, por si só, não garantem que o avanço será sustentável após o impacto inicial. E aponta algumas questões para justificar essa visão. Entre elas, o fato de as tarifas não serem as mais “baratas” do mercado e de o Nubank não ser o primeiro a apostar nessa vertente.

“Bandeiras como Visa, Mastercard e Elo iniciaram esse movimento em 2020”, afirma. “E, no segundo semestre de 2021, a Stone lançou exatamente essa solução e está cobrando 2,94%, no crédito à vista. O negócio de adquirência é, basicamente, preço e o Nubank está na média do mercado.”

Segundo a Abecs, o Brasil registrou um volume de R$ 103,2 bilhões em pagamentos por aproximação no primeiro trimestre de 2022, alta de 455,9% sobre igual período, um ano antes

À parte dessas questões, para os dois consultores, o objetivo do Nubank com o NuTap ao colocar o pé no mundo da adquirência é se preparar para saltos mais ambiciosos e para alguns componentes que devem mexer consideravelmente com esse mercado no médio prazo.

“O Nubank já está fazendo esse movimento olhando para outras soluções”, diz Durer. “E novas modalidades do Pix, como Pix Parcelado e Pix Garantido, são o foco. Se a empresa conseguir entregar algo nesse sentido, no celular, assim que o Banco Central lançá-las, será um diferencial e tanto.”

Além de possíveis lançamentos atrelados a essas evoluções do Pix, Winter, da Boanerges & Cia, destaca outro possível desdobramento da entrada do Nubank em adquirência.

“O grande valor desse lançamento não está na adquirência, mas sim no que o Nubank pode fazer em termos de oferta de crédito e de outros serviços financeiros”, afirma Winter. “Dado que eles vão conhecer melhor o comportamento e ter a previsão de vendas desses clientes.”

Enquanto esses possíveis caminhos não se confirmam, as ações dos “novos” rivais do Nubank, no mercado de adquirência, tiveram um bom desempenho nesta quinta-feira, 19 de maio. Os papéis da Stone, por exemplo, fecharam o pregão na Nasdaq cotados em US$ 9,35, alta de 6,74%.

Já as ações da PagSeguro encerraram o dia na Bolsa de Nova York com uma valorização de 9,69%, cotadas a US$ 14,38. No Brasil, os papéis da Cielo e da GetNet, por sua vez, fecharam a quinta-feira com altas, respectivamente, de 2,07% e 2,56%.

Para Durer, da RD, essas valorizações, muitas delas, dentro de uma tendência observada já nos dias anteriores ao anúncio do Nubank, devem ser vistas em um contexto um pouco mais amplo. Dado que esses papéis também tiveram forte queda quando o período analisado é mais extenso.

A ação da Stone, por exemplo, acumula uma queda de 44,5% em 2022. No mesmo intervalo, os papéis da PagSeguro registram uma desvalorização de 45,1%.

“Essa valorização dos últimos dias está mais relacionada à volatilidade do mercado e também aos bons números do mercado de cartões”, diz Durer. “Enquanto a economia mundial está patinando, esse segmento cresce a dois dígitos, o que chama a atenção do investidor.”

No caso do Nubank, a resposta inicial do mercado ao anúncio, levando-se em conta o desempenho de suas ações no dia de hoje, foi positiva. No fim do pregão na Bolsa de Nova York, os papéis estavam cotados a US$ 4,33, alta de 13,35%.

A reação traz um alento à fintech brasileira, que vem experimentando uma forte desvalorização no mercado de capitais. Desde o início do ano, a cotação de suas ações recuou 53,8%. A empresa está avaliada em US$ 19,9 bilhões, contra uma avaliação em seu IPO, em dezembro de 2021, de US$ 41,5 bilhões.

Leia também

Brand Stories