Negócios

O BS2 encontrou um novo CEO para dar um verniz mais tech

O banco da família Pentagna Guimarães acaba de contratar o executivo Marcos Magalhães, ex-presidente da Rede, para comandar a operação, fortalecer a governança e trazer escala. Conseguirá?

 

Marcos Magalhães, o novo CEO do BS2

Em meados de março, o NeoFeed descobriu que o BS2, banco da família Pentagna Guimarães, até então comandado pelo executivo Gabriel Pentagna Guimarães, estava em busca de um novo CEO para o banco digital.

A ideia era trazer um executivo com experiência no mercado financeiro, mas com uma pegada digital. Na época, o BS2 afirmou que “não comentaria rumores de mercado”. Pois bem, o banco acaba de anunciar um novo presidente.

Trata-se de Marcos Magalhães, que deve assumir o banco, no começo de maio, no lugar de Gabriel Pentagna Guimarães, que vai para o Conselho de Administração da instituição financeira fundada em Minas Gerais.

Magalhães, formado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco e MBA pela London Business School, foi consultor na McKinsey; presidente da Rede, empresa de adquirência do Itaú; diretor do grupo UOL, entre outros cargos de liderança.

No comunicado à imprensa, Paulo Henrique Pentagna Guimarães, presidente do Conselho de Administração e fundador do banco, disse que agora é hora de ganhar escala.

“Esse movimento reforça nossa governança e nos impulsiona rumo a objetivos maiores. O Marcos reúne todos os atributos necessários para expansão do BS2, e além de vir como o principal executivo do banco, também será sócio na Instituição”, disse ele.

Apesar de reforçar que o objetivo é ganhar escala, essa não será uma missão fácil. Outros bancos digitais estão mais bem posicionados no que diz respeito a isso, caso de Nubank, com 35 milhões de clientes, e Inter, com mais de 10 milhões de correntistas. O BS2 tem 800 mil correntistas pessoa física.

O banco tenta correr por fora mirando as contas PJ, segmento em que ele conta com 40 mil correntistas e planeja ter 500 mil dentro de três anos. Mas não será fácil.

Há uma crescente concorrência não só de bancos digitais como também de fintechs por esse tipo de cliente. Hoje, por exemplo, a Cora, voltada para as PMEs, levantou um aporte de US$ 26,7 milhões liderado pelo fundo de venture capital Ribbit Capital.

O banco digital dos Pentagna Guimarães, com um patrimônio líquido de R$ 468 milhões no terceiro trimestre – pouco para o investimento necessário para escalar a operação digital, deve aproveitar a chegada do novo executivo para reforçar a governança e buscar captação, seja por meio de um IPO ou investimento privado.

“Chego com a missão de dar robustez à governança da organização e escalar o negócio, com um leque mais amplo de produtos de crédito para o varejo, principalmente para empresas”, disse Marcos Magalhães no comunicado.

Leia também

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.

UM CONTEÚDO:

BRAND STORIES

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.