Sólides vai às compras e faz 1ª aquisição depois de aporte de R$ 530 milhões

Com o caixa cheio após um investimento da Warburg Pincus, a startup de recursos humanos focada em PMEs compra a Tangerino, empresa de controle de ponto digital e soluções de departamento pessoal

0
148
Leia em 5 min

Alessandro Garcia, cofundador da Sólides (à esq.), Leonardo Barros, CEO da Tangerino, e Mônica Hauck, cofundadora e CEO da Sólides

Em fevereiro deste ano, a mineira Sólides captou R$ 530 milhões junto à gestora americana de private equity Warburg Pincus. Dois meses depois, o mercado começa a conhecer como será aplicado aquele que foi o maior aporte já recebido por uma startup de recursos humanos na América Latina.

O primeiro destino do cheque é Belo Horizonte (MG), a “terra natal” da empresa, fundada em 2010. É de lá que vem também a Tangerino, startup de controle de ponto digital, cuja compra está sendo anunciada nesta terça-feira, 12 de abril. Essa é a primeira aquisição da história da Solides.

Com o acordo, cujos termos financeiros não foram revelados, Leonardo Barros, CEO da Tangerino, seguirá à frente da operação, que, inicialmente, permanecerá independente. Aos poucos, a companhia será integrada e passará a atuar como uma espécie de unidade de negócios da Sólides.

“Não há muitas companhias nesse mercado olhando para as demandas de RH das pequenas e médias empresas”, diz Mônica Hauck, cofundadora e CEO da Sólides, ao NeoFeed. “Nós temos essa visão e encontramos na Tangerino essa mesma tese e essa mesma vocação.”

A Tangerino despertou a atenção da Sólides em eventos do setor, quando Hauck e seu time perceberam que ambas compartilhavam o interesse e as visitas do mesmo perfil de clientes em seus respectivos estandes. Há cerca de um ano, a startup iniciou as conversas para trazer a “vizinha” para dentro de casa.

Nos últimos anos, a Sólides tem investido na construção de uma plataforma “one stop shop”, no modelo de software como serviço (SaaS), para PMEs. Essa oferta inclui desde recrutamento e seleção até questões como treinamento, engajamento, avaliação de performance e retenção de profissionais.

Com a aquisição, a startup incorpora uma nova camada a esse portfólio. A Tangerino também atua no modelo de SaaS. Mas sua oferta é voltada a rotinas mais operacionais, de departamento pessoal, área que, nas PMEs, em boa parte dos casos, também é tocada por um ou mais profissionais de RH.

“Nas PMEs, essa camada operacional, muitas vezes, afeta o dia a dia do RH, que não consegue desenvolver ações mais estratégicas”, explica Hauck. “Nossa ideia é que ele tenha tudo isso em um lugar só, de forma automatizada e com muito mais inteligência.”

Fundada em 2013, a Tangerino tem como carro-chefe um aplicativo de controle de ponto digital, que inclui recursos como reconhecimento facial e é integrado aos sistemas de folha de pagamento. A startup tem atende quase 8 mil empresas e registra, diariamente, mais de 2 milhões de pontos.

A partir do acordo, a Sólides irá absorver os 115 profissionais da Tangerino e chegará uma base de cerca de 20 mil clientes, com pouca sobreposição entre as duas carteiras. Ao mesmo tempo, a aquisição permite que a empresa reforce sua atuação junto a outro estrato desse perfil de cliente.

“Hoje, boa parte da nossa carteira é formada por empresas que têm entre 50 e mil funcionários”, diz Hauck. “Com a Tangerino, estamos descendo também nessa pirâmide, pois eles têm uma boa base em companhias com menos de 50 profissionais.”

A partir deste mês, a Sólides e a Tangerino começam a ampliar esse portfólio voltado ao departamento pessoal. De abril ao fim do primeiro semestre, serão lançados sistemas e recursos de gestão de admissão e demissão, de envio eletrônico de documentos e também de controle de férias.

Em um contexto mais amplo da operação, o investimento em novas aquisições seguirá como uma das principais vias da Sólides para agregar novas peças ao seu portfólio. Nessa estratégia, o foco estará em áreas como produtos e serviços financeiros e também de saúde.

“Não temos nada escrito na pedra, mas nossa previsão é fazer pelo menos mais dois ou três movimentos de aquisição nos próximos dois anos”, diz Hauck. “Em paralelo, vamos seguir desenvolvendo mais ofertas, seja dentro de casa ou via parcerias.”

Entre as novidades do portfólio está a Sólides Academy, plataforma de cursos lançada em fevereiro. A solução tem um plano de assinatura no valor mensal de R$ 14,90 por funcionário e oferta uma série de conteúdos em três áreas: negócios e operações; recursos humanos; e liderança e gestão.

A ferramenta é mais um fruto das diversas “startups” internas incubadas no SoLAB, laboratório de inovação da Sólides. Outra solução prestes a ser lançada envolve um sistema de distribuição automatizada de holerites, com recursos de inteligência artificial.

Como um sinal do aquecimento desse mercado, a Sólides não é a única HR Tech capitalizada que está indo às compras para encorpar sua oferta. Em fevereiro, a Gupy anunciou a aquisição da concorrente Kenobi, um mês depois de captar R$ 500 milhões em rodada liderada pelo Softbank e a Riverwood.

Na semana passada, foi a vez da Worc anunciar a compra da Hrestart, que, nos mesmos moldes da Tangerino, oferece ferramentas de ponto eletrônico, além de soluções de admissão e onboarding de profissionais. A aquisição foi concretizada dois meses depois de a Worc receber um aporte de R$ 20 milhões do Softbank.

Leia também

Brand Stories