Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.
 
 

Negócios

Tensão EUA e China chega a um novo patamar

A briga entre as duas maiores economias mundiais entrou em uma nova frente, com a desvalorização da moeda chinesa. Bolsas ao redor do mundo caíram, inclusive no Brasil.

 

As tensões comerciais entre Estados Unidos e China atingiram um novo patamar nesta segunda-feira, 5 de agosto. Depois de Trump anunciar um aumento de 10% nas tarifas a outros US$ 300 bilhões de bens chineses, Pequim respondeu com a desvalorização de 1,4% de seu câmbio. Agora, o dólar vale sete vez mais que o Yuan, patamar mais alto desde 2008.

A desvalorização da moeda da China acertou em cheio os mercados mundiais. A Down Jones Industrial Average caiu 900 pontos pela manhã e fechou numa baixa de 767 pontos, uma queda de 2,9%. Abrigo das empresas de tecnologia e internet, a Nasdaq também viu seus índices despencar, perdendo 278 pontos, uma baixa de 3,47%.

As ações da Apple e da IBM foram particularmente afetadas. Os papéis da Apple caíram mais de 5%, já que companhia, por fabricar os seus aparelhos em solo chinês, pode ser diretamente impactada pela guerra comercial entre os países. A IBM observou uma queda de mais de 4%.

Ações na Europa e na Ásia tampouco foram poupadas. A bolsa de valores japonesa caiu 1,74%, enquanto a de Paris e Londres anunciaram baixa de mais de 2%, Frankfurt, 1,8% e Madri e Milão, 1,3%. No Brasil, o Ibovespa caiu 2,51%, fechando em 100.098 pontos, menor patamar desde 25 de junho deste ano.

“Estamos vivendo um momento muito frágil da economia mundial, e tudo fica mais sensível com essa disputa entre Estados Unidos e China”, afirmou ao NeoFeed o economista William Yu, professor da Universidade da Califórnia (UCLA), especialista em previsões econômicas.

Para ele, esse toma lá-dá-cá é só o começo de uma disputa sangrenta, que deve alterar para sempre a relação entre os países. “O crescimento da China, um dos mais impressionantes da história moderna, está profundamente ligado à abertura do mercado americano aos produtos daquele país. Era de se esperar que Pequim colaborasse de forma semelhante, o que não aconteceu”, diz, reforçando ainda que a parceria entre as nações passou de estratégica para conflitante.

Toda essa agitação levou os investidores a considerarem opções mais seguras, como os títulos do Tesouro americano, que diante deste cenário viu seu rendimento cair de 1,85% para 1,73%.

Acompanhando atentamente cada movimentação, Yu considera as decisões de Pequim como um sinal de derrota. “A guerra ainda vai continuar, mas nesta batalha, pelo menos, a China está perdendo. Essa decisão de desvalorizar a própria moeda é devastadora”, diz Pascualy.

Ainda de acordo com o especialista, o impacto dessa disputa não poupará o Brasil. “A desaceleração da economia chinesa afeta diretamente o Brasil, cuja exportação depende de Pequim. Vejo com bons olhos a tentativa brasileira de criar novos acordos comerciais com os Estados Unidos. Para mim, esse é o caminho”, declara Pascualy.

“A que tudo indica, estamos longe de uma negociação, então estamos esperando mais volatilidades para os próximos dias”, declarou ao NeoFeed a estrategista de crédito da PAAMCO, Putri Pascualy.

A guerra

Uma das plataformas de campanha do republicano Donald Trump, durante a corrida eleitoral em 2016, era equalizar relações comerciais que ele considerava injustas aos americanos.

Depois de eleito, o presidente dos EUA fez duras críticas ao governo de Xi Jinping, que não aceitou as investidas e apelos americanos. Em resposta, Donald Trump anunciou, em julho de 2018, um aumento de 25% das tarifas aplicadas em 818 produtos chineses, avaliados em US$ 34 bilhões.

Na sequência, foi a vez da China usar a mesma estratégia. Dias depois aplicou um aumento dos mesmos 25% das tarifas sobre 545 produtos americanos, também avaliados em US$ 34 bilhões.

Esse foi o primeiro round de novas tarifas de importação impostas entre os países, que tiveram algumas conversas ao longo desses anos, mas sem chegar a um resultado concreto.

Agora, pela primeira vez, fica claro que o controle do câmbio será usado como munição desta guerra comercial.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO

 

Login

Acesse através
de sua rede social favorita:
Ou e-mail e senha cadastrados:
Esqueceu a senha?

Ainda não tem um conta? Faça seu cadastro

Cadastro

Acesse através
de sua rede social favorita:
Ou através das informações abaixo:
Li e aceito os termos e condições,
além da política de privacidade do site

Já tem um conta? Faça seu login