Startups

Na Riverwood Capital, o cheque é gordo. E ela tem US$ 500 milhões para investir na AL

Gestora de private equity aposta em startups mais maduras e acaba de concluir a captação de novo fundo de US 1,5 bilhão. Um terço dele vai ser investido na América Latina. Joaquim Lima, sócio da Riverwood Capital, explica a estratégia

 


Ele está de olho em startups maduras, que já estão consolidadas em um mercado amplo e com os produtos provados. Agora, essas empresas precisam de recursos para abrir novas avenidas de crescimento, desenvolver uma máquina de vendas mais azeitada, expandir produtos ou até mesmo se internacionalizar.

Em poucas palavras, isso é o que procura Joaquim Lima, sócio da gestora de private equity americana Riverwood Capital, que já investiu na 99, o primeiro unicórnio brasileiro, e conta com Omie, RD e VTEX, entre muitas outras startups, em seu portfólio latino-americano.

“O time continua sendo importante. E muitas vezes o fato de um fundo de venture capital ter investido é uma validação. Mas o novo estágio de investimento demanda novas habilidades”, afirmou Lima ao CAFÉ COM INVESTIDOR, programa que entrevista os principais gestores de venture capital e private equity do Brasil.

Lima, agora, está com o fundo capitalizado na busca por novas empresas na região latino-americana. A Riverwood Capital acaba de concluir a captação de US$ 1,5 bilhão de seu terceiro fundo – os outros dois foram de US$ 800 milhões e US$ 1,25 bilhão. E os valores de seus cheques são altos. Em geral, eles começam em US$ 20 milhões e podem atingir até US$ 50 milhões em follow-ons.

Por investir em séries mais avançadas, a Riverwood Capital observa também a capacidade de execução do empreendedor e analisa ainda a dinâmica de competição de mercado na qual a startup está inserida.

De acordo com Lima, a dinâmica de competição nas startups em que a Riverwood Capital investe envolve as big techs, o que significa um ambiente competitivo mais acirrado. Na prática, isso demanda mais capital. “Mas, quando investimos, acreditamos que aquele empreendedor vai vencer”, afirma o sócio do fundo de private equity.

Um exemplo dessa postura é o investimento na VTEX, empresa que desenvolve uma solução de comércio eletrônico. Quando a Riverwood  Capital investiu na empresa, em 2015, o objetivo era ajudá-la na expansão internacional.

O aporte fez a startup fundada por Mariano Gomide e Geraldo Thomaz estabelecer 15 escritórios internacionais e manter presença nos Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Espanha, Romênia e todos os países da América Latina. “Acreditamos que o produto e sobretudo o time tinha a gana e a ambição de ser uma empresa global”, diz Lima. “Eles estão muito bem nesse caminho.”

Em novembro do ano passado, a companhia captou mais R$ 580 milhões, em um aporte liderado pelo Softbank, no qual o dinheiro seria usado na estratégia de se fortalecer nos Estados Unidos.

“A pandemia trouxe dois anos para frente (a estratégia da VTEX). De certa forma, tudo o que era favorável por trás da tese, se acelerou”, afirma Lima. “O caminho de um IPO da VTEX está no horizonte. É uma questão de tempo para que isso se concretize, na minha visão.”

Nesta entrevista ao CAFÉ COM INVESTIDOR, Lima conta sua trajetória profissional, que teve passagens pela Brasil Telecom (que se uniu à Telemar, dando o origem a Oi) e pelo International Finance Corporation (IFC), braço de investimentos do Banco Mundial no setor privado, antes de se associar à Riverwood Capital, em 2011. Confira no vídeo acima.

Assista também:
– Do Rappi à Pipefy: conheça a estratégia da ONEVC, o fundo brasileiro do Vale do Silício
– A aposta milionária da Microsoft em startups fundadas por mulheres no Brasil
– Orgânica: a consultoria que investe em startups se prepara para novas apostas
– A KPTL, que tem R$ 1 bilhão de ativos sob gestão, está captando mais R$ 900 milhões
– Wayra: a ligação direta da Telefônica/Vivo com as startups
– A Falconi Capital conta com até R$ 500 milhões para investir em médias empresas
– ABseed: o fundo que tem a cabeça na “nuvem”
– SP Ventures: o fundo que tem R$ 300 milhões para encontrar o primeiro unicórnio do campo
– Todas as fórmulas de investimentos do Distrito
– GV Angels: as oportunidades e os riscos de ser um investidor-anjo
– Da Nasdaq à Ace: as histórias do investidor Mike Ajnsztajn
– O jeito de investir da Iporanga Ventures
– Por que grandes empresas, como a Microsoft, investem em startups 
– Romero Rodrigues, do Redpoint eventures: de empreendedor a descobridor de startus
– e.Bricks Ventures: ele deixou a Apple para investir em startups no Brasil
– 500 Startups: o fundo que investe em uma empresa a cada dois dias
– Bossa Nova: o fundo que pretende investir em mil startups até 2020
– Mindset Ventures: o fundo brasileiro que só investe nos EUA e em Israel
– A Techtools Ventures só pensa em investir em health techs
– Ipanema Ventures e o incrível retorno de 147 vezes sobre um investimento
– Rodrigo Borges, da Domo Invest, tem R$ 200 milhões para investir em startups

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

UM CONTEÚDO:

NEOFEED REPORT

Baixe o relatório “O mapa de ataque das grandes empresas”

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO