Em sete meses de vida, três rodadas: por que a Pomelo atrai tanto capital?

Fundada em março de 2021, a fintech argentina capta R$ 190 milhões em rodada liderada pela Tiger Global. O investimento vai acelerar os planos de expansão na América Latina. Em especial, no Brasil

0
485
Leia em 4 min

Em mais um sinal de como está aquecido o mercado de venture capital na América Latina, a fintech argentina Pomelo está recebendo um aporte série A de R$ 190 milhões (US$ 35 milhões), o seu terceiro investimento neste ano para acelerar seus planos de expansão na América Latina.

O primeiro aporte foi em maio deste ano, em uma rodada seed de R$ 49,5 milhões, liderada pela brasileira Monashees e pela americana Index Ventures. Em julho, a Sequoia Capital participou de uma extensão da rodada de R$ 5,5 milhões na Pomelo, no primeiro investimento da gestora americana, desde que voltou a olhar para a região.

Agora, é a vez de a Tiger Global apostar na startup, em uma rodada que contou também com a participação de diversos fundos de venture capital, como Monashees, Index Ventures, Insight, QED, SciFi, Greyhound e Box Group, bem como dos fundadores de Affirm, Checkout, N26, Plaid e Ramp, entre outros.

“São tempos malucos”, brincou Gaston Irigoyen, fundador e CEO da Pomelo, ao NeoFeed. “Fintechs estão quentes e a América Latina está quente também. Não precisávamos do dinheiro, mas ele será essencial para sermos mais rápido e agressivos.”

O que chama atenção também é que a Pomelo tem apenas sete meses de vida e, até agora, conquistou apenas quatro clientes na Argentina, cujos nomes não são revelados – em dezembro, eles devem começar a operar a solução da fintech, segundo Irigoyen.

Com os recursos, a Pomelo, que atua fornecendo infraestrutura para que empresas construam suas próprias fintechs, vai ser mais agressiva no Brasil, onde acaba de contratar John Paz, que comandou a empresa de patinetes Lime no País e na América Latina, para ser o gerente-geral por aqui – ele será também o COO da fintech.

O dinheiro também será usado para a Pomelo acelerar sua expansão pela América Latina. Ela está abrindo um escritório no México e vai atuar também na Colômbia, no Peru e no Chile. O plano é ser uma infraestrutura latino-americana de pagamentos para as empresas da região.

A fintech argentina permite a criação de conta digital white label e a emissão de cartões pré-pagos, de débito e de crédito. A parceria é com a Mastercard. A Pomelo estima que os cartões movimentem US$ 900 bilhões por ano na região e que 95% do processamento seja feito por empresas locais.

Na visão da Pomelo, a emissão de cartões de crédito e débito é um processo lento e burocrático para as empresas que queiram fornecer aos seus clientes. A ideia é fazer isso de forma rápida e descomplicada.

Faz sentido injetar tanto dinheiro em uma empresa que está dando os primeiros passos, desenhando seu produto e com poucos clientes? Segundo investidores com os quais o NeoFeed conversou, a aposta são nos empreendedores que estão por trás do negócio, com experiência no mercado financeiro.

Os fundadores da Pomelo (da esq. à dir.): Hernan Corral, Gaston Irigoyen e Juan Fantoni

Irigoyen, por exemplo, foi um dos primeiros funcionários do Google na América Latina e ex-CEO da Naranja X, um dos maiores bancos digitais da Argentina, que conta com milhões de usuários.

Juan Fantoni, outro fundador, atuou como diretor na Mastercard. E Hernan Corral, que completa o trio de fundadores da Pomelo, era o CPO da Naranja X, além de ter trabalhado também como head de contas digitais e cartões do Mercado Pago.

Outra razão para acreditar na companhia é que seu modelo de negócio se assemelha ao da americana Marqeta, uma fintech que ajuda empresas a emitir cartões e a processar pagamentos. A companhia acaba de abrir o capital nos Estados Unidos, levantou US$ 1,2 bilhão e está avaliada em US$ 15 bilhões.

O Brasil, aliás, será crucial nessa estratégia de crescimento da Pomelo. Dos 100 funcionários atuais, 50 deles estão no Brasil sob comando de Paz. Com o aporte, mais de 150 funcionários vão ser contratados. “Queremos atuar fornecendo nossa solução para a fintechs, mas também empresas do ramo de mobilidade, varejo e logística. No futuro, todas as empresas serão fintechs”, diz Paz.

A Pomelo não é a única que tem experimentado rodadas seguidas neste ano. A Hash, que também atua como uma “fintech as a service”, acaba de levantar uma rodada série C de R$ 235 milhões, liderado pelos fundos QED Investors e Kaszek, com a participação da Endeavor Scale-Up Ventures. Detalhe: cinco meses depois de captar R$ 81 milhões. Outras fintechs, como Addi e TruePay, engrossam essa lista.

Ao que tudo indica, não só uma grande parte das empresa vai ser fintechs. Uma quantidade considerável investidores quer também investir só em fintechs.

Leia também

Brand Stories