GM aumenta a aposta em veículos autônomos e elétricos

A montadora americana anunciou nesta quarta-feira que vai ampliar em 75% o volume de investimentos nas duas categorias, para US$ 35 bilhões, a serem aplicados até 2025. O plano é vender mais de 1 milhão de veículos elétricos nesse prazo

0
131
Leia em 4 min

A Hummer EV SUV, da GM

Na estrada aberta pela Tesla, de Elon Musk, hoje a montadora mais valiosa do mundo, com um valor de mercado de US$ 575 bilhões, a corrida dos carros elétricos e autônomos atrai cada vez mais investimentos e concorrentes.

Uma das gigantes tradicionais da indústria automotiva, a General Motors (GM) é o nome mais recente a engrossar esse movimento. A empresa anunciou nesta quarta-feira que está ampliando os seus investimentos destinados a essas categorias em 75%, para US$ 35 bilhões, a serem aplicados até 2025.

O aumento se refere ao compromisso anunciado em março de 2020, de investir US$ 20 bilhões nessas frente e nesse prazo. O montante incluía capital, despesas de engenharia e outros custos de desenvolvimento. Já em novembro do ano passado, a empresa ampliou essa cifra para US$ 27 bilhões.

“Estamos investindo agressivamente em um plano abrangente e altamente integrado para garantir que a GM lidere em todos os aspectos da transformação para um futuro mais sustentável”, afirmou, em nota, Mary Barra, CEO da GM. A executiva acrescentou:

“A GM tem como meta vendas globais anuais de veículos elétricos de mais de 1 milhão de unidades até 2025”, disse. “Estamos aumentando nosso investimento para escalar mais rápido, porque vemos o ímpeto crescendo nos Estados Unidos para a eletrificação, junto com a demanda dos clientes por nosso portfólio.”

Segundo a empresa, que começou a investir nessas categorias há cerca de quatro anos, essa forte demanda está relacionada a modelos como a picape GMC Hummer EV; o Hummer EV SUV; ao Cadillac Lyric; e a picape Silverado.

“Há uma convicção forte e crescente entre nossos funcionários, clientes, revendedores, fornecedores e investidores, bem como reguladores, de que os veículos elétricos e a tecnologia de direção autônoma são as chaves para um mundo mais limpo e seguro para todos”, ressaltou Barra.

De acordo com a companhia, a ampliação dos investimentos vai ser viabilizada por fatores como o ebitda ajustado recorde de US$ 4,4 bilhões contabilizado no primeiro trimestre de 2021. E mesmo com o impacto para toda a indústria em virtude da escassez de semicondutores, a montadora projeta que o indicador fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões no primeiro semestre.

Renovado, o plano de investimentos inclui frentes como a aceleração da produção das células de bateria da Ultium Cells nos Estados Unidos, com a construção de duas fábricas até meados desta década. Hoje, a GM já conta com unidades dessa divisão em construção no Tennessee e em Ohio.

A estratégia também passa pela colaboração com a Honda para desenvolver dois veículos elétricos que usarão a tecnologia da Ultium, sendo um SVU para a marca Honda e um para a marca Acura.

Outra parceria envolve o memorando de entendimento assinado nesta semana para o fornecimento de baterias e células de combustível de hidrogênio para a Wabtec Corporation, que está desenvolvendo a primeira locomotiva 100% elétrica, com as primeiras entregas previstas em 2023.

Ao mesmo tempo, a GM irá fornecer células de combustível para a Navistar, que está desenvolvendo caminhões movidos a hidrogênio, previstos para serem lançados em 2024. E ainda para a Liebherr-Aerospace, que está trabalhando em unidades de energia auxiliar para aeronaves.

O pacote inclui ainda um acordo com a Lockheed Martin para o desenvolvimento de uma próxima geração de veículos lunares, para transportar astronautas na superfície da Lua. A GM produz suas células de combustível no estado de Michigan, em uma joint venture com a Honda.

Já em relação ao seu portfólio, a GM vai expandir e acelerar o lançamento de veículos elétricos. Em novembro, a montadora havia anunciado que iria entregar 30 novos modelos, em 2025, globalmente. Agora, está adicionando ao seu plano para a América do Norte novos caminhões, além de ampliar, ainda sem detalhes, a capacidade de produção de SUVs elétricos nos Estados Unidos.

A empresa também destacou que a Cruise, startup de carros autônomos do seu portfólio, tornou-se a primeira empresa a receber permissão dos reguladores da Califórnia para oferecer um serviço com veículos desse perfil a passageiros.

A Cruise também foi selecionada para ser a fornecedora de serviços de compartilhamento de carros elétricos em Dubai e está trabalhando com a Honda para iniciar um projeto piloto no Japão.

A GM anunciou ainda que a GM Financial, seu braço financeiro, irá fornecer uma linha de crédito plurianual de US$ 3,5 bilhões para escalar a frota do Cruise Origin, veículo da startup que será produzido no centro de montagem da GM, em Detroit, a partir de 2023.

No primeiro trimestre de 2021, a GM apurou um lucro líquido de US$ 2,97 bilhões, ante os US$ 247 milhões reportados em igual período, um ano antes. A receita líquida foi de US$ 32,5 bilhões, contra US$ 32,7 bilhões, na mesma base de comparação. A empresa está avaliada em US$ 89,6 bilhões.

Leia também