EXPERTSMUDE OU MORRA

Se a inspiração da XP Inc. é a Charles Schwab, seu futuro estaria traçado?

A história da pequena corretora que enfrentou os grandes bancos, se associou a um deles, ganhou corpo e depois caiu fora. Conhece?

 

Conhece a história daquela pequena corretora que encontrou um caminho de crescimento acelerado atacando grandes instituições financeiras e com o discurso de defender os interesses dos consumidores – e que, posteriormente, acabou sendo comprada por um grande banco?

Sim, esta é a história da Charles Schwab, adquirida em 1983 pelo Bank of America. A empresa é o benchmark declarado da XP. A Charles Schwab nasceu na década de 1970 como uma corretora de valores e depois tornou um shopping de investimentos, oferecendo assessoria financeira a clientes e vendendo centenas de produtos de terceiros.

Se no início de sua trajetória, ela era motivo de chacota entre grandes players de Wall Street, isso logo mudou. A Charles Schwab liderou uma verdadeira revolução no mercado americano de investimentos, antes amplamente dominado por bancos. Com quase US$ 4 trilhões sob custódia, ela hoje vale mais de US$ 40 bilhões.

Tudo isso se parece muito com o que a XP Inc. construiu e ainda pretende construir, não? Até o Expert, conhecido evento da XP, foi claramente inspirado no Impact, seu par americano, realizado anualmente, em São Francisco, pela Charles Schwab.

Agora, com a briga entre Itaú Unibanco e XP Inc. cada vez mais quente, as histórias parecem se cruzar, e a XP e seus executivos já deram sinais de que pouco se importam com a presença do banco dos Setubal e Moreira Salles no bloco de acionistas.

Somado a isso, a contratação de José Berenguer, ex-CEO da J.P. Morgan, para liderar o banco XP, e outros executivos de peso nas últimas semanas, sugere que a ambição de Guilherme Benchimol é maior do que muita gente imaginava.

Se a XP continuar seguindo a história da Charles Schwab, os próximos capítulos devem ser ainda mais interessantes. O que pouca gente fala do casamento do BofA com este empreendedor americano é que ele durou apenas quatro anos. Em 1987, Charles Schwab recomprou sua empresa em um deal de US$ 280 milhões.

Se a inspiração da XP segue sendo a Schwab, esta carta pode estar na mesa.

*Renato Mendes é investidor, professor na pós- graduação do Insper, mentor na Endeavor Brasil e autor do livro “Mude ou Morra”, finalista do Prêmio Jabuti 2019.

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

UM CONTEÚDO:

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO