Negócios

Microsoft negocia compra do Discord, o WhatsApp dos gamers, por US$ 10 bilhões

A Microsoft já tentou comprar TikTok e Pinterest. Agora, negocia a aquisição do serviço de chat Discord, que se encaixa em sua estratégia de jogos online. Amazon e Epic Games estão também na disputa pelo ativo

 

O Discord tem 140 milhões de usuários únicos mensais

A Microsoft está negociando a compra do serviço de chat Discord, considerado uma espécie de WhatsApp dos gamers, em um negócio que pode superar os US$ 10 bilhões.

Por reunir uma grande comunidade de jogadores, que trocam mensagens de texto e voz enquanto disputam partidas, o Discord é considerado um ativo estratégico para companhias envolvidas no segmento de games.

A decisão final, no entanto, ficará a cargo do CEO, Jason Citron. A Microsoft não é a única interessada. A desenvolvedora de jogos Epic Games, dona do Fortnite, e a Amazon também teriam manifestado a intenção de comprar o Discord, de acordo com o agência de notícias Bloomberg. Uma abertura de capital também faz parte das opções da startup. As negociações ainda estão em fase inicial.

O interesse da Microsoft é natural. A empresa vem acelerando seus negócios envolvendo o setor de games, em que marca presença com o console Xbox. Em setembro de 2020, comprou a ZeniMax, por US$ 7,5 bilhões, em um negócio que envolveu também a publisher Bethesda Softworks, conhecida por títulos populares, como “Fallout” e “Doom”.

A companhia fundada por Bill Gates vem também expandindo seu serviço Game Pass, que oferece dezenas de títulos mediante a assinatura de um valor mensal. É uma plataforma semelhante ao Netflix que neste mês ganhou o reforço de games clássicos da Bethesda.

Além disso, a companhia liderada pelo CEO indiano Satya Nadella vem buscando uma aproximação com as novas gerações de consumidores. Um exemplo recente foram as conversas para a compra do Pinterest, rede social de compartilhamento de imagens avaliada em US$ 51 bilhões. O negócio não vingou.

Em 2020, a Microsoft também mostrou forte interesse pelo aplicativo chinês de vídeos curtos TikTok. Na ocasião, o então presidente americano Donald Trump fez pressão para que as operações da rede social em solo americano fossem vendidas a uma empresa do país, alegando questões de segurança. A negociação, que também contou com o interesse da Oracle, não foi para frente.

As notícias sobre a possível compra do Discord pela Microsoft acontecem poucos meses depois de uma captação de US$ 140 milhões realizada pela startup, avaliada em US$ 7 bilhões. A companhia cresceu muito durante a pandemia e atingiu a marca de 140 milhões de usuários mensais.

A Discord conseguiu gerar US$ 130 milhões em receita por meio da venda de pacotes de serviços premium, como o Discord Nitro, que oferece limite maior para envio de arquivos, compartilhamento de tela em alta definição e maior capacidade de personalização. Mas não é ainda uma companhia lucrativa.

Há também uma questão envolvendo a independência do Discord. Hoje, ela serve como um agregador de comunidades diferentes no universo gamer. Se for comprada pela Microsoft, será que passará a atender apenas uma comunidade centrada ao redor do Xbox? Se sim, analistas acreditam que pode haver uma debandada de usuários caso a compra de concretize.

O mercado vive um momento em que os gigantes da tecnologia estão olhando para o setor de games com grande interesse. A chinesa ByteDance, dona do TikTok, comprou a produtora de games Moonton, responsável pelo sucesso Mobile Legens, por US$ 4 bilhões.

Além disso, a desenvolvedora Roblox, que produz games para diversas plataformas, abriu seu capital no início de março na Bolsa de Nova York e hoje está avaliada em US$ 39 bilhões.

Leia também

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.

UM CONTEÚDO:

BRAND STORIES

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO

Newsletter

Receba notícias do NeoFeed no seu e-mail

 
Li, compreendi e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade
do site.