Do fracasso do Facebook ao ano dos superapps no Ocidente: as previsões de Scott Galloway

Escritor, professor da Universidade de Nova York e guru do Vale do Silício, Galloway divulga suas já famosas previsões em tecnologia e negócios para 2022. Confira suas principais apostas

0
767
Leia em 7 min

Scott Galloway, escritor, empreendedor e professor da Universidade de Nova York

Escritor, empreendedor e professor da Stern School of Business da Universidade de Nova York. Com esse currículo e um histórico de análises ácidas, contundentes e, quase sempre, polêmicas, Scott Galloway, 57 anos, é apontado, não à toa, como um dos gurus do Vale do Silício.

Todos os anos, nessa época, o americano reforça essa fama ao divulgar a sua já famosa lista de previsões para o mundo dos negócios nos 12 meses seguintes. Dono de um estilo irreverente, ele não hesita em disparar seus palpites, por mais arriscados que, a princípio, eles possam parecer.

Em 2021, o saldo foi positivo. Com muitos acertos e alguns pitacos parcialmente concretizados, seu único erro, de fato, foi a previsão de que a Apple compraria a Peloton, empresa que combina bikes e esteiras ergométricas tecnológicas com aulas de fitness transmitidas ao vivo, via streaming.

Em compensação, ele previu, por exemplo, que a cotação do Bitcoin superaria a marca de US$ 50 mil no decorrer do ano, o que se realizou em fevereiro. Dois meses antes, quando Galloway fez sua “profecia”, a criptomoeda valia cerca de US$ 27 mil.

Foi também em fevereiro que outra das suas previsões tornou-se realidade. A ação do Twitter ultrapassou o patamar de US$ 60 e chegou a US$ 77, seu pico no ano. Como ele também havia cravado, em novembro, Jack Dorsey, cofundador da empresa, deixou o posto de CEO da operação.

Na noite de terça-feira, 04 de janeiro, Galloway promoveu uma transmissão online e voltou a colocar sua bola de cristal – e sua língua afiada – para trabalhar, ao fazer uma série de prognósticos para 2022. E o NeoFeed selecionou as principais previsões feitas pelo guru. Confira:

1 – O metaverso de Mark Zuckerberg será o grande fracasso tecnológico em 2022

Em outubro de 2021, o Facebook passou a se chamar Meta, dentro do plano da empresa de ir além da rede social pela qual ficou conhecida e fincar os pés em um novo campo: o metaverso, que mescla realidade aumentada e virtual para estabelecer uma interação digital e imersiva entre as pessoas.

“O metaverso é a próxima fronteira para conectar pessoas, assim como as redes sociais eram quando começamos. E ele afetará todos os produtos que construímos”, destacou Mark Zuckeberg, fundador e CEO da companhia, na época.

Na avaliação de Galloway, porém, a guinada da empresa será o maior fracasso tecnológico de 2022. “A noção de que passaríamos mais tempo online sacrificando nossas atividades offline é assustadora. Mas qual é a boa notícia? Não vai funcionar. Simplesmente não faz sentido”, afirmou.

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

Ele ressaltou que a habilidade demonstrada pelo Facebook em aquisições não se repete em boa parte de seus projetos internos. E citou como exemplo o desenvolvimento do seu óculos de realidade virtual, fruto da compra da Oculus, em 2014, e sua grande aposta para ganhar escala no metaverso.

“O Oculus é o calcanhar de Aquiles aqui”, disse. “E a razão é que ninguém quer usar esta coisa e pouquíssimas pessoas estão comprando. Eles venderam 3,5 milhões de unidades em 2020. Só para dar uma ideia de escala, foram 70 milhões de pares de Crocs vendidos no mesmo período.”

Em contrapartida, Galloway entende que a Apple é a empresa mais bem posicionada para construir o verdadeiro metaverso. “Eles têm dispositivos onipresentes, a confiança dos usuários, mais capital do que qualquer outra empresa no mundo e já provaram serem incrivelmente hábeis com tecnologia.”

2 – O ano dos superapps, com o Twitter e o Pinterest novamente no radar de aquisições

Para Galloway, o conceito de superapp ganhará, definitivamente, escala além da China e essa será a palavra de ordem em 2022. Ele entende que haverá uma corrida para consolidar uma operação desse porte no mundo ocidental e isso recolocará dois ativos, em particular, como alvo de aquisições.

“Um componente-chave de um superapp é algum tipo de mídia social e isso faz com que o Twitter e o Pinterest sejam bem atrativos para uma aquisição”, afirmou. Ele destacou que o Pinterest está valorizado, mas que o preço de suas ações está recuando, o que já aconteceu com o Twitter.

Galloway enxerga boas chances de uma nova proposta da Salesforce para comprar o Twitter, repetindo um movimento feito há pouco mais de cinco anos. Um atalho para um eventual acordo seria o fato de que, agora, as duas companhias compartilham um executivo: Bret Taylor.

Em novembro do ano passado, Taylor foi nomeado presidente do Conselho de Administração do Twitter. Poucos dias depois, o executivo, que atuava como diretor de operações da Salesforce, foi apontado como coCEO da companhia.

“O Twitter ficou muito mais barato porque suas ações não chegaram a lugar nenhum”, disse Galloway, sobre o desempenho das ações da companhia desde a primeira investida da Salesforce. “Agora, a empresa está 60% abaixo do que estava quando eles pensaram em comprá-la.”

Avaliado em US$ 21,6 bilhões, o Pinterest, por sua vez, esteve no centro de uma oferta de US$ 45 bilhões do PayPal, em outubro de 2021. E já tinha atraído o interesse da Microsoft, entre o fim de 2020 e o início do ano passado.

“O PayPal teve a ideia certa indo atrás do Pinterest e acho que ainda pode acontecer um acordo”, disse Galloway. “Veremos muitas aquisições de empresas de mídia e de conteúdo, por conta do seu engajamento por fintechs, que podem rentabilizar melhor esses ativos.”

3 – O choque de realidade para as fabricantes de carros elétricos

Sob a direção do bilionário Elon Musk, a Tesla se firmou, em 2021, no posto de montadora mais valiosa do mundo e hoje está avaliada em US$ 1,15 trilhão. Também no decorrer do ano passado, outros nomes, como Lucid Motors e Rivian, pegaram carona no rali dos carros elétricos.

Depois de estrear na Nasdaq em julho, por meio de uma fusão com a SPAC Churchill Capital, a Lucid está avaliada em US$ 64,8 bilhões. Já a Rivian, que abriu capital em novembro, vale US$ 89,5 bilhões. Com um detalhe: seus primeiros veículos devem começar a serem entregues apenas neste ano.

Entretanto, de acordo com a bola de cristal de Galloway, o setor não terá pista livre em 2022. “Penso que o mercado de carros elétricos será cortado pela metade”, afirmou ele. “Há uma grande chance de a Tesla cair 80%. Ainda assim, a empresa valerá mais do que a Ford e a General Motors.”

Na visão de Galloway, a razão por trás desse recuo está no fato de que o mercado irá frear as eventuais super valorizações dos ativos e passará a priorizar os aspectos técnicos e os fundamentos por trás dessas operações.

4 – Na corrida bilionária do turismo espacial, a Virgin Galactic pode ficar pelo caminho

O ano de 2021 também foi marcado por uma corrida bilionária pela conquista do espaço, capitaneada pelas aeronaves das empresas comandadas por um trio de endinheirados: Elon Musk, com a SpaceX, Jeff Bezos, com a Blue Origin, e Richard Branson, com a Virgin Galactic.

Galloway vai na contramão do entusiasmo em torno do turismo espacial. “É desanimador. Acho isso niilista e simplesmente deprimente”, afirmou. E suas previsões pessimistas recaem, em particular, sobre uma dessas empresas.

Richard Branson (o quarto da esq. à dir.), o bilionário à frente da Virgin Galactic

“A Virgin Galactic pode ir à falência ou ser vendida por sua propriedade intelectual”, ressaltou. “Não creio que existam tantas pessoas dispostas a pagar US$ 400 mil para subir 60 milhas e flutuar por oito minutos. E sua capacidade é limitada. Eles terão 1,6 mil assentos em 2025.”

Ao mesmo tempo, embora não tenha entrado em detalhes, Galloway disse que a SpaceX irá valer mais do que a Tesla em 2025. Ele se mostrou mais animado, porém, com outro projeto de Musk: a The Boring Company, empresa de túneis subterrâneos para serem usados em transporte de alta velocidade.

Leia também

Brand Stories