Insiders

Facebook quer “viralizar” informações verdadeiras sobre o coronavírus

Numa estratégia para melhorar a imagem da rede social, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, divulgou um plano para evitar a disseminação de fake news sobre o coronavírus. Mas será que, dessa vez, é para valer?

 

O Facebook, criado e liderado por Mark Zuckerberg, tem 2,5 bilhões de usuários ativos

Com a imagem “contaminada” perante escândalos de privacidade e de segurança, Mark Zuckerberg, o fundador e CEO do Facebook, agora tem a chance de se redimir – pelo menos um pouco.

O executivo usou sua própria página na rede social para compartilhar as medidas que a empresa deve tomar para combater o coronavírus.

“Esse é um novo desafio global e estamos há meses trabalhando com autoridades da saúde para coordenar uma resposta”, declarou o americano logo no início de publicação.

De acordo com Zuckerberg, sua equipe está trabalhando para que todos os 2,5 bilhões de usuários ativos tenham acesso a informações verdadeiras e relevantes. “Isso é um ponto crítico em emergências, sobretudo quando há precauções que podem ser tomadas para evitar o contágio”, escreveu.

O executivo revelou ainda que, ao procurar por “coronavírus” no Facebook, a pessoa interessada será impactado por uma janela de pop-up programada para direcionar os usuários às páginas da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou autoridade de saúde local. 

Além disso, Zuckerberg também informou que está oferecendo à OMS anúncios grátis, mesmo benefício concedido a instituições comprovadamente ativas nessa batalha contra a epidemia. 

“Estamos focados ainda em combater boatos e informações imprecisas ou errôneas.”E completou:”É importante que todos tenham um lugar para compartilhar suas experiências e falar da epidemia, mas não é certo disseminar dados que coloquem as pessoas em risco.” 

Para evitar esse tipo de situação, Zuckerberg confirmou que o Facebook vai tirar do ar teorias conspiratórias e relatos mentirosos, e também vai impedir que pessoas maliciosas comprem publicidades que se aproveitem da situação, como a venda de um pseudo medicamento contra o vírus. 

“Esse é um novo desafio global e estamos há meses trabalhando com autoridades da saúde para coordenar uma resposta”, declarou Zuckerberg

O Facebook enfrenta sérias acusações de ser o vetor de disseminação de notícias falsas. Reportagens e documentários mostram como a empresa de Mark Zuckerberg colaborou para a viralização das chamadas fake news, que alteraram os resultados de processos democráticos.

O Brexit, como ficou conhecido o movimento de saída da Inglaterra da União Européia, e a própria eleição do atual presidente americano Donald Trump são dois exemplos disso. 

Mas para além do “disse que me disse”, verdadeiro ou falso, o Facebook quer colaborar com mais práticas e, para isso, anunciou que vai disponibilizar dados anônimos de sua plataforma a cientistas e pesquisadores. “Inclusive dados sobre mobilidades e mapas de densidade populacional, para que se possam entender melhor a propagação do vírus”, explicou. 

Ainda nas palavras de Zuckerberg, algumas ferramentas científicas desenvolvidas pela fundação Chan Zuckerberg Initiative, que mantém junto a sua mulher, Priscilla Chan, também podem ser úteis.

“Graças à parceria entre o nosso projeto filantrópico e o Gates Foundation, pesquisadores do Camboja foram capazes de sequenciar, em 19 dias,  todo o genoma do vírus responsável pelo COVID-19, tornando mais fácil a identificação dos contaminados”, afirmou. 

O executivo finalizou seu post dizendo que, em tempos de crises, as pessoas contam com serviços de comunicação mais do que o normal e que “há mais a ser feito para ajudar os usuários a se sentirem menos isolados”. Zuckerberg afirmou ainda que sua equipe está trabalhando em novas ideias e que, nas próximas semanas, trará novidades. 

A mensagem do criador do Facebook, até a noite de quarta-feira, 4 de março, havia sido curtida 97 mil vezes, atraindo 7,9 mil comentários e 9,7 mil compartilhamentos.

O coronavírus já atingiu mais de 95 mil pessoas, deixando mais de 3 mil mortos. Nos Estados Unidos, são 152 casos confirmados, dos quais 11 foram fatais. Já em território brasileiro, três pessoas testaram positivo para o vírus e um quarto possível paciente segue sob monitoramento. 

No ano passado, o Facebook adotou postura semelhante para conter as notícias errôneas acerca de vacinas, declarando que tiraria do ar páginas e posts dos chamados grupos “anti-vacinas”, e que não mais permitiria publicidades que mirasse esse público-alvo. Mas, em janeiro deste ano, o site americano Buzzfeed registrou a veiculação de anúncios “anti-vacinas”  na rede social.

Na ocasião, o Facebook declarou que a publicidade não violava suas políticas. “Nossas regras proíbem anúncios que contenham informações imprecisas contra vacinas. Não vetamos comunicados que promovam um ponto de vista sobre o assunto”, respondeu a empresa à reportagem. 

Logo saberemos se esse remédio amargo do Facebook vai surtir algum efeito na sociedade – e na reputação de seu criador. 

Siga o NeoFeed nas redes sociais. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram. Assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e assine a nossa newsletter para receber notícias diariamente.

Leia também

UM CONTEÚDO:

NEOFEED REPORT

Baixe o relatório “O mapa de ataque das grandes empresas”

VÍDEOS

Assista aos programas CAFÉ COM INVESTIDOR e CONEXÃO CEO